Flamengo

Por um pingo de respeito

 

Hoje foi o último jogo da Era Bandeira no Flamengo. Com derrota e pouco importa, era um amistoso. Ao final, críticas ao time, algumas vaias, enfim.

Eu não tenho a menor pretensão de sugerir ao torcedor que anda irritado com a falta de títulos que ele note a boa campanha ou que entenda que são detalhes separando o Flamengo de títulos. Tenho apenas a intenção de ser justo.

Esse sujeito tem 65 anos, usou os últimos 6 para se dedicar ao Flamengo. Cometeu muitos erros, muitos acertos, alguns gostam, outros detestam. Tanto faz.

Há algum tempo eu não via um dirigente deixar o Flamengo e deixar algo pro clube. Talvez eu nunca tenha visto até.

Ontem um CT belíssimo que será a base de diversos títulos dos próximos 40 anos. Uma dívida pela metade, um faturamento recorde e uma estruturação profissional no clube que hoje é o que melhor faz negócio no país.

Base forte. Enfim. O Flamengo de hoje funciona muito mais do que anterior, queira ou não.

Eu costumo dizer que há o dia a dia e há o fim. E as duas reações são diferentes. No dia a dia você cobra, concorda, discorda, reclama. Ao final, aplaude ou vaia.

O Bandeira errou muito. Outros errariam mais ou menos, mas também errariam. Só por favor não tratem como vilão um sujeito que sai do Flamengo limpando a imagem do clube, deixando um legado estrutural jamais visto antes, uma relação com o mercado inimaginável até outro dia e campanhas que passaram muito perto do título que outro fatalmente ganhará usando todo esse trabalho.

Por uma dose de bom senso e gratidão, sabendo que todos nós erramos e acertamos, eu acho que o Bandeira merece um “muito obrigado” e não um “já vai tarde”. Até porque, talvez você não se lembre, mas em tese ele nunca recebeu um real pra estar ali.

RicaPerrone

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar