A sensação do Brasileirão enfrentou, em casa, a sensação pré-Brasileirão e perdeu. Aliás, perdeu pela primeira vez no campeonato que lidera e faz campanha brilhante. Do outro lado um Cruzeiro que se recupera na união do pragmatismo do técnico com o talento do time.

Não, não foi uma grande atuação do Cruzeiro. Nem pode ser dito que o Corinthians jogou mal. O imponderável resolveu a partida.

Tático, coletivo, aplicado e, hoje, infeliz. O Corinthians não fez o gol no fechado time do Cruzeiro, que viu até no Roger uma peça que voltava pra marcar.

Na defesa, sem vergonha de atuar covardemente, o Cruzeiro teve suas chances quase todas criadas pela técnica individual dos seus jogadores de frente.

E o gol, única coisa que os separou neste domingo, não foi falha, fruto de jogada ensaiada, nem mesmo uma tabela de uma dupla entrosada. Foi aquilo que há de mais bonito no futebol que ainda é o imponderável.

Aquela bola que não está no script da partida, mas que acompanha o jogador diferenciado.

Aquele trio diferenciado do Cruzeiro com Montillo, Roger e Gilberto que… não fizeram a diferença. Quem fez foi Wallyson, bom jogador, mas de quem não esperávamos tal golaço.

O Corinthians teve a chance de fazer, mas o Émerson não parece no seu nível ideal.  Não fez, manteve um padrão tático e jogou uma boa partida.

Em momento algum o 1×0 quer dizer que o Cruzeiro foi melhor que o Corinthians, nem eu estou insinuando o contrário.

Foi um jogo equilibrado, com 2 propostas diferentes e que, sabemos, uma delas é mais fácil de funcionar.

Hoje o futebol premia o time que agride menos, infelizmente.

O Cruzeiro entrou pra jogar um futebol que não é dele. E funcionou.

Não gostei da postura. Uma equipe com Roger, Gilberto e Montillo não pode devolver a bola pro adversário o jogo todo. Não pode viver de contra-ataque tendo tanta qualidade técnica no passe pra prender a bola.

Desperdício que, hoje, deu certo.

Mas se de alguma forma o chute de longe e o golaço surpreendem, não dá pra dizer o mesmo da vitória do Cruzeiro.

Era bem possível imaginar que quando o Corinthians fosse perder seria pra um time bem fechado e que faria uso de uma bola no contra-ataque.

Assim aconteceu, não ofuscando em nada a brilhante campanha alvi-negra, enchendo de moral o ex-atual-favorito Cruzeiro e dando ainda mais graça no Brasileirão.

Espero ver um Cruzeiro mais Cruzeiro nas próximas, mesmo que o placar se repita e cause euforia.

Ah! Sim! Foi penalti. E muito…

abs,
RicaPerrone