Esperei a noite passar porque sou radicalmente contra ser o esfriador de paixão alheia. A noite do rubro-negro deveria ser de festa e não de análise. Líder é líder, e vencer no Horto é altamente comemorável.

O ponto é que não consigo fazer um texto cheio de elogios e paixão num jogo que me reflete exatamente o que penso sobre futebol. Um time que sofre porque não tem nada coletivo e outro que joga mesmo não tendo nada especial individualmente.

O resultado? Ora, você viu o jogo. O resultado aconteceu. Não foi construido. E isso não pode mudar a avaliação que faço de mais um jogo ruim do Flamengo. Mais um bom jogo do Galo, embora o placar me desminta num lance incomum.

“Ah tinha desfalque!”, não se engane. O Flamengo joga mal com ou sem eles. Não faz nem 3 dias vocês, rubro-negros, diziam a mesma coisa que eu.

Você não tem porque sofrer com Diego, Everton, Paqueta e Vinicius em campo.

“Aprendeu sofrer”.

Porque?! É pra sofrer que se investe tanto em reforços caríssimos mesmo tendo na base as soluções mais óbvias e de bons resultados da história do clube?

O Atlético tem um time com limitações bem maiores que as do Flamengo, especialmente na frente. Mas não considero o time do Galo ruim, não. Até gosto do time.

Mas é dele o papel de apresentar um jogo coletivo, bem estruturado, com posse de bola e mais que o dobro de finalizações?

O Flamengo é líder porque tem time, uma boa tabela e jogadores que resolvem jogos. O  coletivo do Flamengo é ruim. O time não joga bem, cria pouco e não condiz com o que se espera desses jogadores.

Mas hoje é líder. Então todos são ótimos. Se quarta-feira não for, ninguém presta. E esse é o lado delicioso de ser o Flamengo.

abs,
RicaPerrone

Compartilhe!
  • 9
    Shares