Quando o futebol brasileiro parou para a Copa pensamos: “um mes pra treinar, era tudo que os treinadores pediam! Os times vão voltar em outro nível”.

E é hora de dizer que não. Que os treinadores brasileiros em sua enorme maioria não conseguiram melhorar quase nada os seus times. E embora alguns resultados mudassem, o futebol apresentado é quase a mesma coisa.

Seria injusto colocar o Grêmio no bolo. O único time do Brasil que tem um padrão de jogo determinado, intenso e recorrente, que mescla resultados com prazer em assistir. Os demais são, vencedores ou não, times bem distantes de ter um futebol sequer semelhante ao tricolor gaúcho.

Inter e SPFC jogam por um gol e nada mais. Não há qualquer prazer por vencer bem, pela atuação, um padrão de jogo ofensivo, nada. É meramente fazer um gol e tentar não sofrer. Idem para o Flamengo, com o agravante de ter em seu elenco 3 ou 4 peças de alto nível técnico.

Os treinadores querem não perder. É basicamente isso. Esperam o erro do adversário, pouco apresentam e muito dependem de um lance isolado.

Essa é a diferença do Grêmio, que não garante resultados, mas que dá a quem assiste uma sensação de time ensaiado e não improvisando todos os lances de ataque.

Eu não tenho a menor dúvida vendo Grêmio disputar 2 titulos brasileiro seguidos com time reserva se poupando e focando em outros 2 torneios que se tivesse jogando só o Brasileirão teria levado os dois e com alguma tranquilidade.

O nível do Brasileirão 2018 é baixo, ninguém apresenta nada de especial e os que podem usam seus cartuchos nas noites de quarta e não aos domingos.

Embora embolado, bem disputado e com 5 grandes podendo ser campeões, a possibilidade de mais um título de pontos corridos com um campeão inescalável, nada memorável e pouco brilhante é considerável. Seja qual for o campeão.

Treinadores adoram reclamar do tempo pra treinar. Pois é hora de cobra-los também pelas melhoras insignificantes quando lhes foi dado o tempo.

Merecemos mais. Bem mais.

abs,
RicaPerrone

Compartilhe!
  • 1
    Share