Toda vez que o Brasil sai de uma Copa logo surge o mais óbvio clichê jornalístico de projetar a Copa seguinte com 4 anos de antecedência.  Como se fosse possível prever quem surgirá, o que farão os que já surgiram e como estarão os já consagrados.

É perda de tempo. A seleção brasileira muda o tempo todo exatamente porque lançamos jogadores o tempo todo. Perdemos dezenas deles pra vida, pra China, pra má vontade ou para a falta de maturidade.

Em 2014 dezenas de matérias como as que saem hoje surgiam para dizer que tinhamos naquele time a base de 2018. Nas listas havia Ganso, Pato, Lucas Lima, Oscar, Dória, goleiros que não deram em nada, atacantes que desapareceram e nenhuma citação a Jesus, por exemplo, titular de 2018.

Nós não podemos prever nada disso.

O que devemos fazer e raramente fazemos é ignorar esse lance midiático de tentar dar soluções para daqui 4 anos e manter uma seleção com renovação o tempo todo. Isso significa que não devemos tirar da seleção quem não vai a próxima Copa. Devemos manter sempre os 23 melhores até que um deles deixe de ser o melhor e sai do time naturalmente.

Porque você tiraria Thiago e Miranda da Copa América 2019, por exemplo? Pra que tirar Marcelo da seleção? Forçar a vinda de alguém que ainda não é melhor que ele.

Até 2022 temos 2 Copa América e possivelmente uma Confederações. Todas elas equilibram time, testam cenários e são títulos. Além da eliminatória, obviamente.

A seleção não existe de 4 em 4 anos. Talvez a sua vontade de torcer por ela sim. Mas ela é continua, disputa títulos e a manutenção de seu status o tempo todo e é assim que deve ser.

Por coerência, dia 7 de setembro contra os EUA, uns 18 dos 23 dessa Copa devem sim ser chamados.

Simplesmente porque você não pode adivinhar quem sera Rodrigo Caio, Paquetá, Vinicius Jr, etc daqui 4 anos. Então, que seja natural e constante a renovação e não feita radicalmente aos gritos de jornalistas que sequer torceram pela seleção.

abs,
RicaPerrone