Dessa vez – e é raro eu fazer isso – vou deixar meu lugar de crítico da imprensa para de alguma forma defende-la. As notícias de Renato e Flamengo nunca foram inventadas, embora alguns chutem números bizarros para ter ibope.

O treinador sempre quis trabalhar no Rio. Tanto que diversas vezes recusou propostas para nem sair daqui. Tem sua filha e portanto família aqui. É normal que ele goste de estar na cidade que firmou residência.

Houve proposta já? Sim. E muito perto de fechar mais de uma vez. A mais recente foi na final do Gaúcho onde eles chegaram a um acordo e o Grêmio segurou.

A questão que quero expor é outra. O Grêmio tem no Renato o Zico deles. E portanto faz qualquer coisa para não perder seu super herói.  Mas o Renato tem um valor pro Grêmio e outro pro mundo.

Considero sim hoje o melhor do país ao lado de Cuca e Felipão, que já tem esses cargos há mais tempo. Mas entre ser referência e valer no mercado o que vale internamente onde ele é uma lenda pode gerar uma expectativa surreal e um salário impossível.

Outro dia achávamos absurdo um treinador ganhar 500. E então o Muricy ganhou 800. Era “Unimed”. Agora estamos falando de mais de um milhão com naturalidade?

Dirá o rubro-negro eufórico por ter o brinquedo novo custe o que custar: “eu gasto 600 com Geuvanio, 400 com Arão…”. Ok, mas é porque você já comete dois erros absurdos que está validado o parâmetro?

Adoro o Renato. Acho que tem que ser muito bem pago, mas eu consigo nas minhas idas e vindas a Porto Alegre compreender um valor nessa negociação que é “fator lenda”.

É um senhor risco. Treinador é treinador, e em 15 jogos ruins é rua e tem multa.  Não tem revenda, não é um atacante.  (Aliás, se fosse o Renato atacante podia pagar 2 milhões que tava justo)

Longe de mim querer desmerecer meu ídolo, mas…. vocês já pararam pra ouvir os valores que estamos discutindo com naturalidade?

RicaPerrone

Compartilhe!
  • 493
    Shares