Home » Outros Esportes » Fórmula 1 » O mínimo e o máximo

O mínimo e o máximo

Rubens andava 2 segundos mais rápido que Michael por volta no final do GP da Hungria. Ele e qualquer pastel conseguiria a ultrapassagem em 10 voltas. Não vi nada que mereça tanto “destaque” ao brasileiro assim.

Mas, como ele sempre aparece na mídia quando vítima, jamais como destaque, é natural que haja este “auê” todo.

Michael vendeu caro, como dezenas já fizeram. Expremeu Rubens no muro, mudando 1 vez a sua trajetória.

Engraçado que quando Montoya fez o mesmo, sem muro, em Interlagos, todos acharam o máximo. Afinal, era CONTRA o alemão.

Brasileiro tem mania de adorar o coelho e odiar a raposa.

Michael foi punido porque teria exagerado. E talvez tenha mesmo, como em outras dezenas de vezes vimos por aí. Mas, como é contra o coitadinho master da F-1, vira vilão, mal caráter, etc.

Primeiro que se o Rubens fosse mais esperto, veria que o Michael jogou pra direita e, não podendo voltar, teria passado por fora.  Quis manter, ir por dentro, quase se deu mal.

Bela manobra, sem dúvida. Assim como acho exagero o monte de patadas no alemão por quase ter feito suco de Rubinho, acho o mesmo sobre a “coragem” dele em ter passado. Naquele ritmo qualquer um passaria.

Revanche? Troco? Faça me o favor. Rubens não dá troco no alemão nem se sair com a Corina, mulher dele. Foram 6 anos de massacre e nego inventando teoria tosca pra defender o pobrezinho. “Ele arruma o carro”, “o Michael nao ganha sem ele”, ” Ele que acerta pro alemao”. Baboseira.

Michael é Michael, Rubens é Rubens.

Neste episódio o alemão pode até ter exagerado. Errou, foi punido e tá ok. Daí a fazer o Rubens de “super”, ou de “vingado” é demais.

E ele, sempre naquele papelzinho tosco de “vítima” vem dizer que “não faria de novo”, o que cansou de fazer na Ferrari.

Faria sim, Rubinho. Primeiro porque é o máximo que você pode ser, coadjuvante.

Segundo porque quem pratica esporte pra perder não pode ganhar.

Terceiro porque seus últimos 15 anos dizem mais do que qualquer frase sua.

Piloto comum x gênio. Quando o comum passa, é talento. Quando perde, é carro.

Não, não é. Rubens passou pelo carro estar melhor.

Com o mesmo carro, mesmas condições, Michael mete 1s por volta no Rubinho com 52 anos, barrigudo e gripado.

abs,
RicaPerrone

Comentários