Primeiro registrar que independente do foco do texto o jogo entre Vasco e Avaí foi um jogão! Dois times dispostos a vencer, buscando o gol, razoavelmente organizados e bem intensos.

Dito isso, vamos ao “drama”.

Do inferno ao céu, do céu à Terra. Isso define os 90 minutos do Vasco.

Saiu perdendo, se recuperou logo, cresceu muito no jogo e fez 3×1.  Neste momento, com boa atuação e uma virada, São Januário flertava com a euforia.  E então Valentim correu um risco.

Na verdade ele já havia corrido um quando mudou no intervalo em busca da virada. Virou, se consagrou por ousadia (e necessidade). Quando vencendo por 3×1 podia manter, arriscar matar ou recuar.

E recuar também é um risco.

Pode acontecer o que aconteceu. Uma bola do Avaí entrou, a vantagem ficou pequena pro jogo de volta e o ambiente favorável virou vaias.

Merecidas? Não diria. Mas compreensíveis.

Além da frustração do gol no final, houve também uma boa atuação, uma grande virada e um time em evolução.  A vantagem não é muito boa, mas o que o Vasco apresentou é.

Eu sairia de São Januário confiante se fosse vascaíno. Mas não nego que também sairia puto com o resultado da “prudência” do treinador.

RicaPerrone

Compartilhe!
  • 216
    Shares