Home » + Chamada » Não vejo tantos fantasmas

Não vejo tantos fantasmas

Talvez por estar meio desacreditado no ser humano, talvez por ser um cara prático. Mas eu não consigo ver metade dos fantasmas que a maioria vê no caso Jô.

Foi mão. Ponto. Gol irregular e fim de conversa.

A discussão é:  Ele deveria ter se acusado como fez Rodrigo Caio num lance contra ele uma vez?

Eu começo considerando alguns pontos importantes.

  • Não tem “escândalo”, “esquema”, e os caralho. O Corinthians, inclusive o próprio Jô, teve uns 3 ou 4 gols mal anulados no campeonato.
  • Jô teve uns 3 penaltis não marcados no campeonato, nunca um zagueiro se acusou de tê-lo feito.
  • Rodrigo Caio não se acusou e abriu mão de um gol ou pediu falta pro adversário. Ele evitou um cartão por AGRESSÃO que não houve.  É um pouco fora das questões técnicas. O Jô seria advertido por um chute e o Rodrigo avisou que ele não havia dado.

Dito isso, vamos ao que interessa.

Porque espera-se do Jô uma atitude que ninguém tem? Virou obrigação dele ser o primeiro não hipócrita da história do futebol brasileiro a rejeitar um gol importante?

Jô, se pensou em fazer, e eu duvido, pensou e logo lembrou dos pênaltis não marcados a seu favor e gols mal anulados. Alguma vez lhe devolveram um gol?  Então acho que ele tem o direito de se questionar se vale a pena ser o herói do Ivan Moré segunda-feira ou abrir mais 3 e praticamente garantir o título, já que não tem adversários dispostos a disputar o Brasileirão com pontuação próxima mais.

Porque o Jô é obrigado a ser o primeiro?

“Ele não foi! Ele foi o beneficiado com o caso Rodrigo Caio…”.  Calma aê! Até concordo, ele foi hipócrita, fez um discurso todo cheio de politicamente correto e hoje foi testado e não fez na prática.

Mas sabe o que ele deveria ter feito? Dito que pegou na mão e não se acusou por causa dos gols que ele teve anulado. Não dizer que “não sabe se foi na mão”.  Porque ele sabe. Todo mundo sabe.

Aí Jô foi de aceitável parte de um sistema a hipócrita.

Mas ainda assim, hipocrisia não é crime. É apenas um traço comum a 99% de nós, brasileiros, seres humanos, especialmente os que cagam regra virtualmente, como eu por exemplo.

Feito todo esse discurso, eu ME pergunto e sugiro que você se pergunte:  Você pararia o lance, cortaria a comemoração e diria “juiz, fiz de mão?”.

Eu não. E não porque sou desonesto, mas porque não quero ser o otário.  O futebol é um esporte de erros de arbitragem toda semana no mundo todo.  Diferente de todos os outros, é comum e aceitável que um erro interfira no resultado.

Vai você, beneficiado e prejudicado 200 vezes na vida, ser o Chê Guevara da grande área?

Duvido.

abs,
RicaPerrone