Isso não é um jogo, é Libertadores.  Jogos tem regras e critérios, leis para ambos os lados e igualdade de condições.

Isso não é um jogo. É Libertadores.

O Flamengo joga mal Libertadores porque não a compreende. Trata tudo em sua frente como “obrigação” mesmo não sendo. E se nada é obrigação, imagine a principal competição.

O espírito da cobrança ao invés da fé não foi testado ontem porque a bola entrou cedo. Mas talvez num 0x0 vendo o Arão ser o melhor em campo a torcida rubro-negra não reagisse da mesma forma.

Há anos escrevo o mesmo texto: campeonato se conquista, não se evita perder. Toda vez que o Flamengo entrar em campo pra “não perder” a Libertadores, irá.

Jogo fácil, sem riscos.  Embora controlando a posse de bola o tempo todo, o Flamengo dependeu em 100% das suas jogadas de ataque de algum fator individual. Ruim? Não. Mas o coletivo não está funcionando ainda como deveria ofensivamente.

Achei os jogadores muito guardados em suas posições. Previsível até.

A LDU é time de jogar em casa na altitude. Fora dessa condição ela não representa perigo.

Esse Maracanã cheio de gente, fé, energia e vontade de vencer pode ser campeão da América. O que cobra, acha “obrigação”, faz discurso europeu de “pelo tanto que investiu…”  e que vaia o Arão com 10 minutos, nem pensar.

Flamengo começou tão bem a Libertadores que empolga. E o pior inimigo do Flamengo ao longo de mais de 100 anos é confundir empolgação com “oba-oba” e “oba-oba” com obrigação.

Campeonato se conquista. O que se “evita perder” é carteira, celular, óculos escuros….

RicaPerrone

Compartilhe!
  • 1.8K
    Shares