Home » Futebol » Eu, eu mesmo e Irene

Eu, eu mesmo e Irene

Não, mil vezes não! Não posso aceitar tamanha injustiça no nosso futebol. Você pode nem gostar do Muricy, é um direito de cada um. O que não dá pra aceitar é desmerecer os feitos de um sujeito de competência incontestável.

Ao classificar o Santos pra final da Libertadores, devo discordar de algumas teses que li recentemente.

Dizem que “ninguém mostra trabalho em 1 ou 2 meses num clube sem pré-temporada”. Eu acho que não, o Muricy tem méritos sim. Ele fechou essa defesa, fechou esse ataque e não passou mais nada.  Parou de fazer também, mas isso não é culpa dele, afinal, chegou outro dia, dizem que “não dá tempo”.

Dizem também que não existe “sorte” no futebol. E eu devo discordar, não pelo gol do título estadual ou pelo bizarro segundo gol no Paraguai, mas pelo Santos ter perdido tantas chances nos últimos jogos. De fato, há sorte sim no futebol. Infelizmente não pro Santos, parece.

Discordo também de quem diz que o Muricy é um sortudo. Há quem defenda que “Mata-mata é sorte” e que “apenas nos pontos corridos você vê o trabalho de um técnico”.

Quem disse tal absurdo? Onde já se viu? Quer dizer então que técnico bom é aquele que soma pontos em jogos comuns e não aquele que se prepara pra decisão? De forma alguma, os dois tem seus méritos.

Discordo novamente. Acho que o Muricy foi muito importante nessa “conquista” do Santos e não é justo que frases como estas e pessoas com essa cabeça desmereçam seu trabalho.

Eu não sei onde essas pessoas que perseguem o Muricy querem chegar. Fato é que o sujeito ganha tudo que disputa e não é porque ele troca de clube invariavelmente indo sempre pro melhor time do país que ele conquista títulos.

Tem trabalho também, poxa! Que baita perseguição com o sujeito.

Ele deixou o Flu porque o Fluzão foi traira! Onde já se viu não retirar o Mickey de lá? Eles prometeram que ele seria expulso. Não foi, fez bem o Muricy em sair.

Quem foi o babaca que disse por ai que “Eu respeito contrato. Quando eu começo vou até o fim. Tem que ser parceiro. Eu sou diferente, comigo é assim”?

Seja lá quem for, não sabe nada. Está apenas perseguindo o Muricy.

Se pra muitos clubes do país o mês tem mais de 30 dias, Muricy dá exemplo de novo e lembra, quando saiu do Flu e assumiu o Santos, que o dele é tão acima da média que tem 20.

A torcida do Flu é ingrata! Se não fosse Muricy jamais teriam conquistado a Copa do Brasil, feito boas campanhas em brasileiros e ido a final da Libertadores e da Sulamericana. Só em 2010, quando ele chegou, que o Fluzão passou a disputar títulos. Ou seja, “ele deu o caneco ao Flu”.

Aceitem, é isso!

Quem diz que “técnico não ganha jogo. Comissão técnica é 20% de um time” não pode jamais estar falando sério. Muricy só 20%? Que isso… o sujeito leva nas costas! É mais de 80% de um elenco.

De que adianta futebol bem jogado? Quer espetáculo? Vá ao Municipal!

Eu me rendo. Muricy é tão bom, mas tão bom que consegue desbancar e calar a boca dele mesmo.

Não há adversários a altura.

Parabéns! Vaga merecidíssima, sem nenhuma ironia.

Muricy sabe perder. Precisa, agora, aprender a ganhar.

Se não saisse ditando tanta regra e se auto-promovendo ao ponto de se contradizer na mesma linha algumas vezes, a antipatia que alguns, inclusive eu, tem por ele seria bem menor.

Fora isso, no campo, segue seu trabalho altamente competente.  Feio, pragmático, até covarde as vezes. Mas, sem dúvida, competente.

Parabéns ao Santos que, contradizendo tudo que os planejadores pregam, começou o ano, errou o planejamento, ficou sem técnico, trocou o técnico, estourou jogador e… tá na final.

Diriam: “foi sorte!”.

Com Muricy lá, dirão: “Foi ele!”  Duvida alguém dizer que ele “superou a força das pedras com a cabeça”?

Muricy me irrita 50%. O restante vem das suas “paquitas”.

E o Santos, que não tem nada com isso, chega onde merece chegar.

abs,
RicaPerrone


Comentários