Uns dizem que por 50, outros 35.  Vamos avaliar os dois cenários e tentar entender o negócio que o Flamengo está fazendo.

Quando um jogador quer ir embora, o clube tem apenas que achar a melhor oferta. Não adianta segurar jogador insatisfeito querendo ter saido. Isso é básico no futebol.

Se a multa é 50, o valor estaria indiscutível. Se foi por 35 com multa a 50, significa que foi o máximo que o mercado pagou pelo Paquetá.

Lembre-se sempre que existe um valor pra torcida e outro pra vida real. O Valdívia, jogador de Colo-Colo, é um craque para os palmeirenses, um jogador comum para o mundo. O Lugano, Deus no SPFC, um zagueiro bom pro mundo. E assim por diante.

O Paquetá não é uma estrela internacional.

E se vier a ser? Ótimo negócio pro Flamengo, que por inteligencia ou falta de opção vendeu pra um mercado que hoje é secundário. Do Milan, em boa fase, ele será revendido por valores absurdos para Real, Barça, City ou PSG. E o Flamengo volta a lucrar em cima dele.

Se tivesse ido pra um desses, a revenda seria menos provável.

O Fabinho, do Monaco, foi vendido por 45 milhões de euros. Sim, o Paquetá deve jogar mais do que ele, mas ainda não está devidamente testado. Portanto, gostem ou não, ainda é uma aposta.

Boa aposta. Mas ainda uma aposta.

Qualquer um dos cenários é aceitável.

Por 35 porque foi o melhor que conseguiu, tendo o jogador deixado claro a vontade de sair pra Europa. Por 50 é multa, não se discute.

E nos dois casos, indo pro Milan, tem provável revenda futura.

Não, não é um mau negócio.

Vocês é que estão putos com a diretoria e portanto rejeitam 100% do que ela faz. Porque no futebol infelizmente é assim: Se a bola entra é tudo 100% bom, se não entra são 100% ruins.

abs,
RicaPerrone