Home » Futebol » Marcando “o nada”

Marcando “o nada”

O São Paulo foi a campo cheio de expectativa com reforços, Lucas de volta, Rivaldo ganhando ritmo e um novo técnico. Eu gosto deste time, sou mais otimista que a maioria até sobre onde ele pode chegar. Mas a estréia do Adílson foi cheia de revelações.

A primeira é que ele escalou 3 volantes pra marcar ninguém.  Empatou um jogo absurdo, em casa, contra um time muito inferior.

A segunda é que mexeu mal e tarde.

E a terceira é que estão confiando num representante anti-Carpegiani a tarefa de resolver partidas. E ele não fará.

Vamos por partes.

Não, não concordo que o São Paulo não tenha time pra brigar no Brasileirão. Acho, inclusive, dez vezes melhor ver este time jogar do que aquela coisa bizonha que foi campeão brasileiro em 2008 só Deus sabe como.

Acho, no entanto, que estão endeusando e buscando soluções nas pessoas erradas.  O Adílson não é o técnico que vai fazer o Tricolor jogar bola. Ele é retranqueiro, teimoso e pardal. Onde passou tem uma torcida enorme pedindo pelo amor de Deus pra que ele não volte mais. Não devem ser todos loucos.

O Rivaldo é o ídolo mais incrível da história do clube. Ele é adorado pela torcida só porque se colocou contra o ex-técnico, covardemente, diga-se. Mas ele nunca jogou NADA no Morumbi.  Sua idolatria é relacionada ao que “acham que ele poderia vir a fazer um dia”, não pelo “que fez” no São Paulo.

Sua entrada no time não é ruim. Mas ele não está sendo decisivo em nada. Suas atuações são comuns, acerta um ou dois lances por jogo, erra muitos passes e os seus principais envolvimentos em gols nos últimos 3 jogos não foram “jogadas de Rivaldo”, mas sim “jogadas de qualquer um”.

Não confundam o “não endeusamento” com ódio. Acho o Rivaldo um senh0r jogador, literalmente. Mas ele não tem os “incríveis” 37 do Pet que já foi uma aberração em 2009. Ele tem 39, não fez nenhuma grande partida no clube e basta jogar uma bolinha nota 6 pra sair de campo avaliado como nota 9.

Seu nome não resolve em campo, mas resolve pra torcida e na mídia. O que ele está fazendo, com todo respeito, o Cicero também faz.

E por fim, não entendi o que o Adílson viu hoje.

Sofreu rigorosamente o que fizeram em Porto Alegre. O adversário não agrediu, só defendeu e quando atacou fez. O São Paulo não é um time que anda podendo reclamar de futebol-resultado. Nem a favor, nem contra.

Três volantes pra marcar quem? O time do Atlético ficou inteiro atrás, não ia pra frente nunca e o “bolo” no meio só favorecia o time deles.

Destruir sem espaço é muito mais fácil que construir. Ah vá! Mas pro Adílson hoje parece não ter sido tão claro assim.

Empate de ocasião, injusto, etc. Mas, até ai… quantos pontos “injustos” o SPFC ganhou da mesma forma que o Atlético hoje?  A maior parte deles, talvez.

Elas por elas.

Eu ainda confio que este time, bem armado, com o Rivaldo como opção e não “peça-chave”, com Luis Fabiano e com um técnico que entenda a função do Juan, dá trabalho.

Com Rivaldo de salvador da pátria, Juan tendo que armar jogo sem meias do lado dele e três volantes… não dá, não.

 

Piadinha do dia: Adilson entrou num restaurante após o jogo. Deram 3 garfos pra ele. “Pra que tres garfos?”.  O garçom disse: “entendeu agora o q sinto com seus 3 volantes?”

abs,
RicaPerrone