Flamengo

Léo e os vira-latas

Uma vez alguém me disse que o problema do Brasil era não ter passado por guerras, furacões, tsumanis e nada que fizesse seu povo ter que se unir e defendê-lo.

Eu não compreendi na época, mas hoje acho bem claro. Quando vou aos EUA tenho a nítida sensação de ter diante dos meus olhos o desenho do que ele disse. A diferença brutal do resultado final de um povo que se importa e ama seu país contra o que adora odiá-lo e que não faz o menor esforço para melhorá-lo.

Nós não conseguimos bater palmas.

O brasileiro é tão colonizado que basta um de nós chegar a algum lugar para que ao invés de aplaudir, contestemos. Basta uma coroação ser anunciada para que ofenda os não coroados.

Era dia de Léo. E honestamente, após 10 anos de clube, fim de carreira, que diabos importa se alguém acha se ele foi um craque, um medíocre ou um merda?

Era apenas uma festa para coroá-lo, não para fazer análise ou para discutir se ele a merecia.

Somos convidados de um casamento que chamam a noiva de puta nas costas do noivo. Somos incapazes de aplaudir sem “poréns”. O sucesso alheio nos ofende. É incrível.

Uma vez, há pouco tempo, discuti com um tremendo imbecil enquanto nosso Carlinhos Brown era homenageado no Oscar. Naquele exato momento onde o sujeito chegava ao topo da carreira, o mal amado estava despejando ironias diminuindo o feito do artista pelas redes sociais.

Que não goste! Mas respeite. Que não participe! Mas deixe que saboreiem o doce momento sem lembrar das calorias.

O jornalista é preparado pra ser perturbado, pra achar pelo em ovo e sempre desconfiar de tudo. Mas quando ele vai para o entretenimento, ou ele deixa de ser burro, ou destrói o próprio produto.

Talvez não seja muito difícil enxergar a consequência dessa merda toda.

Difícil mesmo é olhar pra um estádio com 30 mil pessoas num amistoso, as 22h, numa quarta-feira e ver o “último dos moicanos “ deixando o cargo de capitão do mais popular time do país e se limitar a aplaudir.

Léo foi um dos grandes no que fez. Fez história, e você? Fez o que enquanto a história se encerrava diante de seus olhos?

Aprenda a aplaudir para só então se sentir no direito de vaiar.

Valeu, Léo! Foi um prazer te ver escrever essa história.

abs,
RicaPerrone

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar