Home » Futebol » Clubes » Flamengo » Justa causa

Justa causa

Eu ainda não sei se acho que técnico ganha jogo. Mas perde, e disso tenho certeza.

Entre todos os erros que o Flamengo cometeu em 2012 e por isso merece mesmo não estar na próxima fase da Libertadores, nada foi tão infantil quanto os que Joel quis cometer nesta noite.

Não sei se por ego, por mera incompetência ou por convicção. Sei que não conheço ninguém que concorda, ninguém que tenha entendido e, portanto, quando se faz algo muito diferente do normal, assume-se o resultado.

A diretoria errou ao manter o Luxa até janeiro sabendo que havia desgaste em dezembro. Mas se era uma queda de braço entre técnico e algumas estrelas, jamais deveria ter deixado as estrelas ganharem.

Talvez os dois quisessem sair, como aliás a Patrícia me contou que aconteceu semanas antes da demissão. Assim sendo, não havia outro caminho.

Sem Luxa, raciocinio aceitável: “Vou buscar um paizão que traga o grupo pra ele, já que dependo do talento de uma estrela de brinquedo, que brilha quando quer, ou, quando não precisa”.

Aceitável, emergencial, vá lá.

Joel fez tudo que fazia o Luxemburgo e pior, tendo Love e Gonzalez, algo que o anterior não tinha. Insistiu, insistiu até ver que todos estavam certos sugerindo o básico. Testou, funcionou, manteve.

Era hoje! O time de sábado, com 2 atacantes, 2 meias, laterais mais soltos, o time que todos queriam. E não, Joel. Não é culpa sua se você escala o que todos querem e eles resolvem queimar a bola em campo.  Não é você que tem que ensinar o Ronaldinho que nem toda bola que ele pega precisa enfiar no peito do centroavante entre 3 zagueiros.

É euforia, nervosismo, ansiedade. Aqueles argumentos que usamos para defender um time mais experiente.

E lá estava o Flamengo, errando, mas vencendo. E vencendo com chances de sofrer o empate na mesmíssima medida em que poderia fazer o terceiro.

Jogo aberto, buscando uma vaga, não evitando perde-la.

Evita perder quem tem ela nas mãos, Joel. Você não tinha. Era preciso buscar e, enquanto buscou, alcançou. Quando encostou nela, quis segurar cedo demais.

Gustavo, Joel?

O jogo era no meio, nas alas, nunca nas áreas. Pra que mais um zagueiro e tirar um atacante, liberando mais um lateral adversário pra agredir?

Porque 2 laterais esquerdos em campo, Joel?

Alterações que insinuam ego. Vontade de “ter o dedo do técnico”  na vitória. Porque se não mexe, se continua o “time que voce nao queria”, o Flamengo podia até fazer 4. Estava nas mãos, você tirou.

Mediocre na idéia, pior ainda na execução.

Flamengo é time grande, Joel. Time grande é parado, não fica tentando parar os outros.

Ali, quando você tirou, de novo, o Flamengo da Libertadores, era uma partida onde o grande agredia e era agredido. E é natural, por mais que o futebol seja imponderável, que o Flamengo tivesse muito mais chances de fazer com Deivid, Love e Ronaldinho do que o pobre Emelec.

Mas aí você apequenou um gigante. E gigantes não sabem andar de joelhos.

Pode enquadrar, Joel.  Se queria o mérito, é seu. Todo seu.

O Flamengo cometeu mil erros em 2012, mas ainda assim tinha tempo de corrigi-los.  Não tem mais.

Era pra buscar uma classificação grandiosa, não pra tentar segurar uma vaga mediocre.

Um campeão não pode ser mediocre, Joel. E graças a Deus você perdeu hoje.

Porque o futebol não pode mais consagrar a covardia.

Ainda dá? Dá. Mas merece?

Não.

abs,
RicaPerrone 

Comentários