Tu vem pra cima, toma. Tu se fecha, também toma. Se tentar trancar o jogo, eles acham um gol.  Não é brilhante, nem dependente de um ou outro talento individual. Sequer tem 11 titulares. Mas é irritantemente duro de parar.

O Palmeiras do Felipão encontra o que quer. De alguma forma durante os 90 minutos ele consegue achar uma forma de fazer um gol enquanto você usa seu time todo pra tentar evita-lo.

Assim que faz, quase sempre, ele tem a vitória nas mãos. Se pará-lo é difícil imagina virar contra ele.

Nunca será lindo de ver jogar. É um conceito do treinador.  Ontem mesmo conversava com o Fernando Carvalho, ex-presidente do Inter, e ele me dizia algo didático. Ou você tem a bola ou espaço. O Felipão opta pelo espaço. Sempre optou.

Não acho que o Palmeiras jogue mal como alguns acham. Acho que ele não joga bonito. É completamente diferente de jogar mal. Ainda assim, em diversos momentos é bonito ver o ataque ser construído, seja com uma arrancada do Dudu, um passe do Moisés ou um lançamento do Felipe Melo.

São 31 jogos. Não é uma situação onde cabe contestação. Pode não ganhar nada, é futurologia. Mas hoje é o líder na Libertadores, classificado na Copa do Brasil, líder do Brasileirão, tomou só 2 gols, melhor ataque e atual campeão brasileiro.

É um momento onde você cala a boca e aplaude. Ou abre pra falar besteira.

RicaPerrone

Compartilhe!