Home » Futebol » Atlético MG » Há esperança

Há esperança


O classificado é o Botafogo, os méritos indiscutíveis são todos dele, mas peço licença para focar no derrotado na partida desta terça-feira. Muito mais preocupante que qualquer outro gigante neste momento, o Galo precisa reagir enquanto é tempo.

Se ontem não saiu andando pelo hospital, pelo menos abriu os olhos e deu um sorriso pro médico. A coisa pode virar.

Com os mil defeitos que o Cuca tem e os outros mil que tentam colocar nele, o cara sabe montar um time como poucos. E eu não tenho dúvidas que ele o fará no Atlético. Porém, pelo momento delicado, o time completamente sem padrão e sem moral, vai demorar mais do que o normal.

Ontem, no Engenhão, o Botafogo venceu. E mereceu se classificar até pela partida que fez em Minas.

Mas é fato pouco contestável que o Galo que atuou ontem não é mais o Galo do Dorival.

O time evoluiu, houve uma maturidade interessante ao não sair pra empatar e tomar um 4×0 que acabaria com o progresso em questão de minutos.

A saída do Richarlyson, como tendência natural de onde a bola seja redonda, melhora o time. Só não enxerga isso quem atrela sua posição a homofobia ou quem prefere um grosso correndo do que alguém que sabe o que fazer com a bola mais lento em campo.

Richarlyson joga por dois motivos:
1) Corre muito e técnico adora isso.
2) Toda critica a seu futebol é levada como homofobia. Por isso, poucos o criticam.

E eu me refiro ao jogador. Não quero saber se é gay, se não é gay. É um jogador fraco, limitado, que se acha craque e que não faz nada além de correr feito um maluco. Além de dar pontapés idiotas e acabar quase sempre expulso.

Em São Paulo, me lembro bem, a torcida tricolor foi bastante criticada por reclamar do “camisa 20”. Aqui diziam que eram homofobicos e preconceituosos por não gostar dele. Na verdade, e cansei de ver isso de perto, eles não gostavam dele pela bolinha que jogava e pela blindagem que levava com ele.

Entenderam agora, atleticanos?  Acho que sim.

Os bons jogadores do Galo, apesar de “sem fome” por estarem em fim de carreira ou com o bolso cheio, precisam estar em campo para desequilibrar o momento ruim a favor do clube.  Se Mancini, Daniel e cia não estão bem, é melhor insistir neles do que esperar que alguns limitados joguem bola.

Cuca sabe disso e já começa a procurar uma cara pro time do Galo.

Ontem, no Engenhão, o Galo perdeu como time grande.

Jogou boa partida, mostrou clara evolução e deu sinais de que pode sair dessa situação mais rápido do que imaginamos.

Confiem no Cuca.  Ele pode ter a fama que for, mas é um baita treinador.

abs,
RicaPerrone 

Comentários