BotafogoCorinthians

Eu gosto do Sheik

img_1685

As vezes eu concordo, muitas outras não. Acho incoerente em algumas ocasiões, firme em outras.  Gosto de ouvi-lo falar, de vê-lo jogar. De cobrir um esporte em que ele seja protagonista.

Posso não concordar com ele, mas o fato de ouvi-lo dizer o que diz me faz bem.  Eu não sou o tipo de sujeito que prezo pela simpatia de quem mal me conhece.  Eu gosto de quem fala o que pensa e não faz questão de ser mais um, seguindo a cartilha de quem faz de tudo pra não se meter em dividida.

Me afasto involuntariamente de qualquer pessoa que tire o pé de dividida. E você pode perder a bola, tanto faz. Mas não tira o pé se a jogada for sua.  Sheik não tira. E perdendo ou ganhando, ele mete o tornozelo dele pra jogo.

Numa ilha de mediocridade onde todo mundo morre de medo da porra dos Zé Ongs que ficam procurando motivos pra perseguir alguém e criar uma tese radical que o jogue na mídia, Sheik se salva. Tem uma dose de “maldade” nele que me passa a impressão de falar com um ser humano.

Odeio ouvir o Messi falar, por exemplo. Até porque ele não fala.  Não gosto de achar algo sobre alguém que não se expõe em nada. Afinal, vou achar o que se não sei quem ele é?

Odeie Emerson Sheik. Adore-o.  Não conteste, porém, sua importância no que faz.  Emerson é daquela rara linhagem de gente que mata a cobra, mostra o pau e pergunta se alguém ali era parente da cobra.

Figuraça. Com direito a todos os defeitos que qualquer um de nós possa ter. Mas que não segue um manual de como ser “mais um”.  Talvez por isso, não seja.

abs,
RicaPerrone

Artigos relacionados

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar