Vasco

Estrela?

A mídia esportiva no Brasil odeia futebol.  Eu tenho muita certeza disso toda vez que acaba um jogo como o do Vasco e discute-se primeiro onde errou para depois se exaltar a história escrita.

Faltam 15 minutos. O time invicto do país perde em casa para um time pequeno e há ali uma história sendo escrita. É a virgem que se guardou para todos os namorados e acabou nas mãos de um bêbado.

E então Jorginho, que é brasileiro, “inho”, e portanto não pode ser gênio, tira um atacante e coloca um zagueiro.

Não há na mídia um sujeito que tenha tido o bom senso de enxergar o que ele fez. Não foi recuar. Foi renovar o folego, a forma de agredir e dar uma nova alternativa pouco previsível aos zagueiros do CRB. Ele usou o momento, a confiança, o chute de fora, enfim, o que acreditava ser melhor.

Para nós, analistas, é “tirou atacante botou zagueiro”.  E então após 3 jogadas onde ele participa efetivamente no ataque, numa delas ela sobra e ele faz o gol salvador. Aos 46, épico, salvando a virgindade vascaína.

O juiz apita, a torcida em êxtase, o jogo comum virando memorável e o decreto nos microfones: “Teve estrela”.

Estrela?

O cara faz tudo o que acredita e  que ninguém teria coragem de fazer. Funciona, e não apenas num lance, mas nos minutos em que esteve em campo. A bola entra, o time se mantém há 2o e poucos jogos “com estrela”.

Estrela?

O zagueiro entra, assume a responsabilidade, dribla, cria, vai pra cima, não sente a pressão e resolve o semestre.  É estrela?

Jorginho, fosse “Mourinho”, seria gênio.  Sendo “Jorginho”, tem estrela. Vaz, fosse Pique, seria polivalente, moderno. Sendo Vaz, tem estrela.

Patria amada, Brasil.

abs,
RicaPerrone

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar