O Fluminense entra em 2018 pra ser coadjuvante. O torcedor quando para pra pensar encontra fórmulas malucas de imaginar seu time campeão mesmo nessas condições. E encontra.

No imaginário tricolor, se esses meninos dão certo, encaixam, o time abraça a alma de guerreiros e seguem firme dá pra sonhar com a Sulamericana e não passar sufoco no Brasileirão.

A tabela do campeonato dará ao Fluminense 5 jogos no Rio nos primeiros 7. As duas fora são Corinthians (perdeu na estréia) e Vitória.  Está bem claro o cenário. É pra vencer, pontuar e afastar o sufoco logo de cara, em nome de um ano tranquilo e dando paz pros meninos funcionarem.

O espírito baixou. Primeiro na Sulamericana onde o adversário fez um jogo virar guerra pela cera. Agora pela burrice e violência do Gilberto que transformou um jogo em outra apresentação monumental de superação.

Sob eufóricos aplausos o Fluzão deixou o Maracanã como não era previsto em 2018: forte, fechado com a torcida e criando expectativas.

Vá! Quando tem Deco, Fred, Conca qualquer um vai. Vá agora, que não é pelo show, é pelo clube.  O ano do Fluminense pode ser redesenhado nas próximas 4 semanas.

Não tem milagre é na vida. No futebol tem sim, ele só aparece pra time grande e vocês estão cansados de saber disso.

abs,
RicaPerrone