Home » Futebol » Seleção » É muito mais do que “isso”

É muito mais do que “isso”

“É culpa do Mano!”, gritam alguns.  “Fora Teixeira!”, gritam outros. “O JC não dá mais!”, aposentam outros.  Entre as mil teorias sobre a seleção e sua péssima fase, não vejo nenhuma sequer aceitável como “grande responsável”. Vejo um conjunto e, na falta de percepção dele, o grande problema.

Mano não é ruim. Talvez não seja o melhor, talvez esteja fazendo um trabalho ruim e até questiono isso. Mas ele não pode ser culpado por um time profissional e consagrado errar passes de 2 metros. Isso não é tático.

E se não é ele, então, “é o jogador”. E se não é um só, não pode ser uma epidemia.  Que eu saiba má fase não é virose.

A seleção não treina, não tem seu time formado com base numa equipe como a Espanha, que diga-se, jogou merda nenhuma na Copa e venceu. Mas venceu, e na Euro deu show, ficou com o crédito.

A Alemanha, que não venceu, joga bem. E joga porque tem sua base em casa.

O futebol evoluiu pra pior. Hoje faz mais diferença o coletivo, o físico e o quanto o time é treinado do que exatamente o quanto eles sabem jogar bola. Nunca pudemos ter o luxo de montar uma seleção pré-treinada pelos clubes. É sempre um catadão mundial que dificilmente funciona sem treinamento.

Assim sendo, sempre fizemos uso do talento pra resolver. Talento este que precisa aparecer na adversidade. E nela, sabemos, só os grandes conseguem aparecer. Essa geração de “craquinhos” ainda não sabe pedir a bola em finais, até por terem poucas.

Não sou idiota de achar que a seleção vai mal porque não tem mata-mata. Mas acho que um dos 200 motivos é sim a falta de testes a estes garotos. Saem muito escondidos em treinadores, muito pouco cobrados num momento dificil. É preciso testá-los, sim.  Sempre foi uma arma nossa o poder individual de decisão.

“Ha mas na Europa não tem mata-mata”. Foda-se! Quem joga bola pra caralho há 200 anos somos nós, não eles.  Se é pra copiar, copiemos o melhor, que é o que ELES tem feito ao nos copiar, e não o contrário.

Temos talento de sobra, eles tem inteligencia de sobra. Não se aplica a mesma teoria a um italiano e a um brasileiro. O menininho da Itália sabe falar, ouvir, ler, escrever e tem algum preparo na vida pra absorver táticas. O menininho da favela, vide tantos por ai, não tem preparo e nem inteligencia pra ouvir, muitas vezes, sequer o que é preciso fazer em campo num simples 442.

Somos criados na base do condicionamento. Não o físico, mas o de instinto. Nós não temos medo de jogar, nós pedimos a bola perdendo e erramos, mas pedimos. Hoje, não pedimos mais. E isso passa sim pelos pontos corridos.  A diminuição de testes decisivos aos nossos garotos obviamente diminui o poder de decisão deles.

Na Copa de 2010 perdemos quando jogavamos muito melhor. E desde que tomamos o gol, não teve um pra pedir a bola. Em 2006, mesma coisa. E em 2012, a continuar nessa neurose de culpar 50% o técnico e 50% a CBF, eles vão continuar blindados andando de amarelo pelo campo.

Passe de 2 metros não é culpa do técnico.

A convocação é meia-boca, o time tem defeitos e todos tem culpa. Inclusive nós, que aplaudimos o festival Muricystico e Parreiristico há quase 20 anos em troca do que? De um caneco conquistado na base do “deus me livre”.

Não pesamos as consequencias quando exaltamos a bosta que um Muricy faz com um timaço do Santos, por exemplo. A consequencia é simples: Jogue pelo 1×0 e acabou. E assim sendo, temos o que temos hoje.

É um conjunto de problemas. E enquanto procurarmos um só vilão ou não nos incluirmos nos culpados, não teremos solução.

A nave vai de bico. E você, que aplaude R10 andando em campo, pede Leão de volta após ele abandonar o clube, que faz festinha pra R10 no Sul depois do que ele fez, que trata Kleber como Deus, assim como nós, jornalistas, que tratamos futebol como caso de policia, somos tão culpados quanto.

Queriamos um técnico meigo. Taí.

O Dunga não era uma bosta? O Mano também é? Querem mais um pra descobrir que a “bosta” não tá sentada no banco mandando craque errar passe de 3 metros?

Não adianta virar as costas e se fazer de indiferente. Não somos, mesmo que possamos nos enganar por um tempo.

Coloca a amarela com a bandeira e o hino no Maracana lotado daqui 2 anos frente a Argentina e me diz que você é indiferente.

Não ignore. Ajude a mudar.

abs,
RicaPerrone

Comentários