FutebolGrêmioInter

Boleiros e mitos

Falcão e Renato se aventuraram simultaneamente numa situação de rara vantagem.  Era muito mais fácil ser demitido no clube que é mito do que ser campeão e aumentar o mito. Batata!

A diferença é que Renato foi boleiro, Falcão não.  Ponto pro ex-gremista, que não saiu sob vaias e não arranhou o mito.

Renato assume o Grêmio, enfrenta problemas e consegue uma temporada brilhante, levando o time até a Libertadores.  Vê seu elenco ser todo vendido, as peças demorarem a chegar e o semestre ir pro buraco. Quando começa o Brasileiro e ele nota que não vai conseguir arrumar, salva o mito e deixa um emprego.

Falcão, menos “malandro”, chega ao Inter impondo todo seu conhecimento e filosofia. Comete o erro mais básico de liderança que existe, que é o de menosprezar seu próprio grupo. Ao fazer isso, perde o grupo.

A consequência é natural, clara, quase óbvia.

Falcão cai, o mito se mantém, mas deixa aquele leve arranhão.

Ambos não precisavam ter tentado. Ambos foram corajosos por terem ido e merecem aplausos pela tentativa.

A diferença no resultado, no entanto, é brutal.

Renato é o cara que salvou o Grêmio em 2010, que foi “sacaneado” pela diretoria que vendeu meio time e não deu peças pra repor.

Falcão é o cara que não ganhou nada, piorou o que já estava ruim e ainda menosprezou o elenco Colorado.

Dois mitos, apenas um boleiro.

E o Inter tem sim time pra ser campeão. Dos melhores, diga-se.

Quem não tem é o Grêmio. Mas até nessa situação é preciso ter jogo de cintura.

Com um elenco pior, Renato saiu ídolo. Com um baita time, Falcão saiu sob protestos.

Pode isso, Arnaldo?

Pode…

abs,
RicaPerrone

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar