Ouvir torcedor é um pedido formal para cometer um erro. Se dependesse de torcida todo time jogaria com 11 atacantes, subiria 11 da base no jogo seguinte a cada derrota e trocaria o treinador toda semana. Portanto, vamos ponderar as cobranças.

O “melhor” jogador do Flamengo ontem foi também o pior em campo. Gabigol perdeu diversos gols feitos e marcou dois. Um deles impedido e sem goleiro. Saiu ovacionado, mas o Abel não deve ter ficado feliz com sua atuação.

Outro que divergem é o Arão. O futebol hoje é extremamente “marcável” e não a toa os melhores times dos últimos anos no Brasil tiveram nos seus volantes os grandes destaques. Porque são craques? Não. Porque são o fator surpresa. Ninguém arma time pra marcar volante. A chegada deles é fundamental pra quebrar o esquema de marcação.

Arão é alto, tem alguma técnica e não vai alternar com o Cuellar. Só ele fará esse papel.  Sua presença no time é fundamental, e a única forma de tira-lo é adaptar o Diego a posição.  Pelo pênalti da semana passada vemos que não é uma adaptação fácil e que pode custar caro.

Torcida idolatra e odeia com critérios meio absurdos. Mas a paixão não é racional, logo, entende-se.  O Gabigol faz o que a torcida esperava há anos: corre, mostra raça, briga e se importa.  Pode perder 20 gols. Quando fizer um e for pra galera, tá perdoado.

Arão pode tomar 20 bolas, criar 20 lances no ataque, quando errar um passe está morto. Aí entra uma briga por ter razão, não por avaliação.

Vamos então ao Arrascaeta.

A torcida acha que o Flamengo contratou o Pelé. Normal. Caríssimo, badalado, embora aos 25 anos esteja trocando de time entre Brasil e Uruguai e portanto não se trata de um jogador de nível internacional ainda.  Mas vamos esquecer os valores e a expectativa do novo Pelé e cair na parte técnica.

Arrascaeta não joga na função do Diego. Não quer dizer que não possa vir a jogar, mas esse papel no Cruzeiro era do Thiago Neves. O uruguaio disputa a posição, em tese, com Everton e Bruno. Os dois começaram o ano muito bem e não tem qualquer argumento para tira-los do time.

Abel não está sendo teimoso. Está sendo criterioso.

Quando o Tite tirou o Marquinhos titular da Eliminatória toda pra meter o Thiago Silva no primeiro coletivo pré-copa ele foi injusto. Se o Abel fizer isso também será.

O fato de vocês quererem ver o “super Flamengo” em campo não implica nele estar pronto e sequer dele ser possível de funcionar como você espera.

Se meter o Diego no Arão e o Arrascaeta no meio e perder 2 na Libertadores você não vai dizer “erramos”, vai dizer “Abel seu merda!”. E portanto ele não está te ouvindo com toda razão.

O time as vezes só cria no individual. Ontem criou no coletivo. Mas aí falhou o individual na finalização. Esse equilíbrio ainda não foi encontrado.

RicaPerrone

Compartilhe!
  • 961
    Shares