Carnaval

A curiosa disputa de samba

0,,15723930-EXH,00

Não me parece a idéia original, sequer a mais justa.  Quem nunca acompanhou uma disputa de samba enredo nas escolas de samba pode até achar que trata-se de uma competição entre compositores e seus talentos. Mas não é só isso.

São grupos de 5 pessoas normalmente em cada samba. Já é comum que 3 escrevam e 2 financiem.  É preciso investimento mínimo em torno de 25 a 30 mil reais pra se chegar a final, além de um bom samba, é claro.

Paga-se cerveja, ingressos, onibus pra levar gente, bandeirinhas e na quadra as torcidas se alternam. Uma claque. Sem disfarce.

Enquanto um samba toca aqueles torcedores que os compositores levaram vão pra frente do palco e pulam.

Se a disputa é pra saber qual samba a comunidade abraçou, o que diz aquele monte de gente “organizada” pra fazer isso?  Nem da escola são, na maioria dos casos.

Tá caro. E cada vez mais artificial.

Não porque os escolhidos são ruins. Longe disso. Escola nenhuma é idiota. Mas porque afasta aquele compositor da comunidade que não tem lá seus 10 mil reais pra investir em balões, convites, camarotes, cervejas, etc.

É preciso ter amigos. Pagar cerveja pra eles, convence-los a ir até la. E, TAMBEM, ter um bom samba.

Não bastaria o bom samba?

Bastaria, não fosse um negócio simples. O vencedor fatura uma boa grana de direitos autorais pela transmissão do carnaval. Ao vencer ele pode ganhar cerca de 50 mil, se for uma parceria de 5 pessoas por exemplo.

A questão não é essa. Mas sim o quanto se exclui o cara que tem apenas talento em troca daquele que tem amigos, mídia, dinheiro.

Hoje, sem uma turma boa e uma grana você não vai levar samba algum adiante em escola nenhuma.

E o conceito, ao invés de discutido, foi absolutamente adotado e tornou-se padrão.

Não consigo entender bem o que são aquelas 200 pessoas cantando um samba que foram convocadas pra cantar “representando” uma comunidade que apenas assiste, de lado, quase mera espectadora de toda a escolha.

Novos tempos. Muito se gasta, pouco se ganha.

Disputas de samba são chatas. Talvez a escola ganhasse mais ouvindo os sambas internamente entre suas diretorias e escolhendo um, antecipando os ensaios e desfazendo a impressão de aceitação feita, muitas vezes, por uma claque contratada.

Além da agressividade que gera tendo dinheiro investido. Vi e tenho ouvido relatos de ameaças, ofensas, até tentativa de vaias no samba do colega. Normal. Não é só um samba. É investimento.

Não gosto. Vou pra apoiar o samba dos meus amigos, o que também é um erro. Não estou na minha comunidade escolhendo meu preferido, mas sim indo a uma outra comunidade fazer número pra alguém.

Quantas vezes um bom samba perdeu pra uma claque?

Quantas mais vezes acontecerá?

abs,
RicaPerrone

Artigos relacionados

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar