Home » Futebol » O fim da feira

O fim da feira

Quando o Fluminense viu o Flamengo ser campeão em 2009, com 2 jogos finais onde o rival não tinha porque correr, sua torcida disse que era “absurdo”, “titulo entregue”, etc.

Quando o Corinthians perdeu pro Flamengo em 2009, Palmeirenses e Sãopaulinos disseram ser absurdo, covardia, etc. Agora, coerentemente, eles não pensam mais assim.

Porque futebol é um esporte que permite ao cidadão ser incoerente, estúpido, mal educado e especialmente cego.

O que você não suporta quando te prejudica, torna-se natural quando te beneficia.

O SPFC fez hoje o que o Corinthians e o Grêmio fizeram em 2009. Entregou? Não, apenas não tinha porque se esforçar.

E você, hipocrita que fala pelos cotovelos que a ética, a moral, etc, seria um dos covardes se visse sua vitória beneficiar unica e exclusivamente seu rival.

Essa é a regra.

Você quer saber se eu acho que o SP entregou? Não, acho não. Acho que, como em 2009, ele apenas entrou em campo sem a menor vontade de ganhar, pois a vitória era RUIM pra ele.

É a porcaria de fórmula que alguns intelectuais acham o máximo. E não é!

Homeopatia e futebol não andam juntos.

Título se ganha no final, no grande jogo, naquele gol incrível. Não se ganha aos poucos, contra rivais indiretos e fazendo continha no radinho.

Dizem os menos motivados a raciocinar que “se fosse mata-mata tambem entregariam no fim da primeira fase”. E eu não discordo.

Mas é melhor você ver essas coisas no fim de um turno do que no momento maior e mais importante e histórico do campeonato.

Sempre haverá um jogo onde a torcida tem que torcer contra seu time. É uma merda, mas é do jogo.

Mas na decisão?

É ridículo, vergonhoso, patético, absurdo.

Isso não é esporte.

Perto do que sugere o Brasileirão de pontos corridos a Ferrari é uma santa!

Não mancha, porém, quem for o campeão.

Mesmo que os torcedores agoram vejam o cuspe cair na cara e tentem dizer que “não é bem assim”,  o campeão não tem nada com isso. Ele é apenas um dos 20 que assinou essa merda de fórmula européia.

abs,
RicaPerrone

Comentários