Home » Futebol » Virando a mesa

Virando a mesa

viadagrem

Acho uma merda. Mas acho tão ruim quanto virar mesa ignorar os fatos e rotular esse ou aquele por uma prática comum no futebol brasileiro.

Duvida?

Em 92 subiam 2 times. O Grêmio estava mal, mudaram o regulamento, subiram 12.  O tricolor subiu em nono.

Em 1982 o campeonato estadual classificava pra “Taça de Ouro”.  O Santos ficou em décimo, e então deram um jeitinho e o colocaram no torneio mesmo assim.

No ano seguinte, o Vasco foi nono no estadual e deveria ficar fora da Taça de Ouro. Mas também a disputou por “outros méritos”.

Em 86, no Brasileirão, classificariam 6 por grupo.  Mudaram pra entrar “mais oito” e assim Vasco e Botafogo não ficaram de fora da segunda fase.

Em 96 o Fluminense teve seu rebaixamento “cancelado” por um escandalo de arbitragem envolvendo outros clubes.

Mesmo critério que deu ao Corinthians a possibilidade de buscar o título de 2005, que estava nas mãos do Inter até então.

O São Caetano, na época protagonista, foi da série B direto pra série A em 2001. Acabou vice-campeão.

O Coritiba voltou pra série A em 92 pela mesma mudança de regulamento que favoreceu o Grêmio naquele ano.

Santos e Corinthians terminaram nas duas últimas posições em 87. Não cairam. Não era previsto rebaixamento, como também não era previsto o confronto Sport x Flamengo.  Num dos casos, o regulamento não previsto foi aplicado.

Isso sem contar os outros 20 ou 30 clubes beneficiados por tabela graças a influencia dos grandes nos bastidores.  E também considerando que nem toda “virada de mesa” está relatada aqui.

Mas sim, era uma prática comum no Brasil tentar arrumar uma forma de ter os grandes sempre na série A e de preferência nas grandes decisões.

Prática que mudou um pouco, mas que continua no DNA dos nosso clubes e torcedores quando vemos, sem mudança de regulamento, mas de postura, o São Paulo “cancelar” seu apoio a Copa União por uma taça de Bolinhas, ou o Vasco reclamar do jogo ter continuado após ter pedido o mesmo contra o São Caetano na final do Brasileiro.

Quando convém, todos concordam.  Infelizmente é assim.

Mas jogar nas costas de um ou de outro um rótulo de algo que todos fizeram parte ao longo da história me parece covarde.

Porque não o discurso de “pague a série B”, “pague a eliminação na primeira fase”, “pague a anulação de jogos”, “pague a Copa Uniao”, “pague a subida no vácuo”?

Claro, eu sei! Você está pensando “não foi bem assim…” sobre a linha que cita seu clube.  Mas saiba, todos os demais pensam a mesma coisa na que cita o deles. Mudam as cores, não o sentimento e nem a vontade de se convencer.

O Vasco de hoje tenta fazer o que quase todos já fizeram e que, em algum momento, todos eles já tentaram.

Menos hipocrisia. Mais fatos aos debates.

Estamos todos errados.

abs,
RicaPerrone

PS – Caros mimimizeiros oficiais, a foto apenas ilustra um jogo da década de 80. Só. Mais nada. Sem maiores viadagens por favor. Se eu colocasse a de um dos citados no texto diriam que eu ilustrei destacando uma das viradas de mesa. Então, coloquei uma que não tem virada de mesa citada aqui. Simples assim.

Comentários