Home » Diversos » Blog » Tudo menos futebol

Tudo menos futebol

Entrevista dada a um grupo de TCC, que faz uma revista sobre jornalistas esportivos sem falar de futebol. A idéia é do cacete, e infelizmente ficará nas mãos de um professor no fim do ano.

Participo de uns 20 tccs por semestre, com maior prazer do mundo. E digo a todos eles: Publica!!! Não entrega pra passar de ano e só. Usa essa merda pra dar cartão de visita. Infelizmente a maioria não ouve.

Mas segue ai a entrevista dos caras, que me proibiram de falar de futebol. rs

TCC: Perrone, você tem filhos, é casado, solteiro?
Rica: Tenho um beagle, que é filho. E casado ainda não. Em breve. rs

Vive de jornalismo?
Até que não. Mas ajuda.

Até que ponto você acha que usar uma charge ajuda ou prejudica ao invés de uma foto?
Sabe o que é, eu sou bonito pra cacete. Se eu usar a foto, vão dizer que só tem ibope porque sou bonito. Entendeu? (risos) Sério: Eu acho que marca mais uma charge como marca do que uma foto. E também não gosto que conheçam meu rosto, me tira privacidade, e isso me irrita.

Então televisão nem pensar?
Não. Só se me pagarem muuuuuito pra isso, o que duvido, ja que nao gosto de TV, não me porto bem com cameras e não to com essa moral toda né. (risos)

Por isso recusou que a entrevista fosse filmada pro site?
É, eu não gravo nada em vídeo. Não é frescura cara, juro. É que eu tenho pavil curto, não sei lidar com a “folga” das pessoas. Por exemplo: Nego acha que porque tu comenta futebol tem o direito de te xingar do que bem entender e você, como alguém “publico”, tem que entender. Eu acho isso um absurdo. Tenho vontade de processar cada membro de orkut e blogs por ai que me xingam por discordar de A ou B.  Imagine se eu apareço e um dia no shopping alguem me fala uma merda? Eu não tenho a menor condição de relevar e pensar: “É assim mesmo”. Eu vou arrumar briga. Então, prefiro ficar na minha e só meu nome ficar conhecido. Eu, não precisa.

Você lida bem com criticas?
Não. Eu ignoro a enorme maioria.

Porque?
Porque eu acho o seguinte. Se você ouve uma critica bem feita, tudo bem. Se você ouve duas, ok. Se você começar a ouvir todas, perde o rumo e a convicação do que está fazendo. Isso é futebol, cara. Quando você não diz o que o cara quer ler, ele critica e nem sabe exatamente porque. Se você for levar isso em consideração fica maluco. Todo dia eu acordo e recebo emails do time que perdeu dizendo que sou péssimo, e do que ganhou que sou genial. É assim, torcedor não raciocina, apenas torce.

E essa imagem de ser um cara “do povão”, que fala palavrão, que não se importa com erros de portugues, que não liga pra regras jornalisticas as vezes, te incomoda ou você gosta?
Eu adoro. Eu sou isso. Não faço personagem no blog, juro. Eu realmente acho aquilo tudo que eu digo. Meu jeito é esse mesmo, como to falando com vocês, como falo com meus amigos, exatamente da mesma forma que escrevo. Eu sou simples, palhação, não ligo pra frescura e cago pra regras desnecessarias.

Por exemplo?
Por exemplo o “porque” junto ou separado. Que se foda o que diz a lingua portuguesa. O sentido é o mesmo, quem le entende a mesma coisa. Puta viadagem. Se alguem acha que um bom jornalista tem que saber isso, ok. Mas eu não sei, e não vou saber. Acho tão ridiculo isso que me recuso.

É normal na sua vida ser constantemente criticado e elogiado. Seu blog tem muita visita, você é bem polemico, e muitos odeiam você, na mesma medida que outros adoram. Como você lida com essa coisa de ter que ser julgado o dia todo?
Enche o saco, mas é a profissão. Toda vez que abro meu e-mail tem alguém me dizendo se sou genial ou imbecil. Incomoda as vezes, mas depois de 10 anos você nem liga mais.

Você assiste televisão? O que assiste?
Assisto muito. Trabalho perto dela, e fico com ela ligada. Vejo muito esporte, diria que 90% do tempo estou vendo algum jogo ou programa esportivo.

E tem preferencia por quais programas?
Eu fico direto no Sportv. Quase não mudo. Vejo tudo que tem lá, gosto muito, acho uma puta emissora e respeito os profissionais que tem la. Discordo de muitos, mas é o que eu sempre digo, há um abismo entre discordar e perder o respeito por isso.

Você já escreveu bobagem?
Puts, um monte. (risos)

E aí? Como fica?
Cara, eu erro. Todo mundo erra. Mas eu não volto lá pra dizer que o post está anulado. Depois, quando o assunto volta, eu coloco de novo e digo sem problema algum que mudei de idéia. O pontos corridos é exemplo disso….

Sem futebol, Perrone…
Opa, mal. Esqueci. (risos)

Religião?
Não. Odeio.

Não tem e não quer nem ver perto?
Olha cara, isso aí é um assunto foda.  Eu acho que é tão direito do sujeito se tornar um babaca bitolado quando meu de acha-lo um bitolado. Então, fica zero a zero. Mas como no Brasil é moda, quase bonito ser diferente, algumas pessoas confundem escolhas com a vontade de aparecer. Religião pra mim fica dentro de cada um. Nego que sai gritando, que precisa provar, mostrar pro mundo está fazendo pra aparecer.

Mas você frequenta alguma, segue, enfim?
Não. Eu odeio todas elas, acho todas uma sacanagem do cacete com as pessoas e uma mera forma de ganhar direito em cima da fé alheia. Respeito quem acha que não, mas é o que penso. A história taí, só não lê quem não quer. Quem fez o mundo ser o que é foi a Igreja, não foi? Então…  Agora as novas de bispos ricos e fieis doadores são apenas consequencia. Daqui 20 anos vai ter pedágio na cidade, catraca em igreja, cartão de fidelidade, cartão de credito visa com 10% revertido, e por ai vai.

Pra você, então, toda igreja é má intencionada?
Não. Mas o principio de enriquecimento de todas elas é o mesmo. Ficam todas cheias da grana, e na minha cabeça não entra que ter fé em Deus represente deixar alguem que se diz pastor, bispo ou padre rico.  Onde envolve dinheiro, irmão, pra mim não tem relação com fé e religião.

Você nunca frequentou nada de religião?
Pelo contrário! Tinha uma avó católica fanática, uma mãe que era testemunha de jeová e que hoje dá passe em centro espirita. Vivi perto de varias delas, e frequentei os testemunhas de jeova por anos, enquanto era obrigado a ir pela minha mãe. Quando cresci e pude dizer não, foi a primeira coisa que fiz.

Conte mais. Você não gostava de ir? Não levou adiante?
Eu odiava aquela porra. Puta gente estranha, preconceituosa, gente ruim mesmo, sabe? Quando você ensina pessoas que “quem discordar de você é um mero mundano”, você cria um bando de imbecis.  Aquilo foi a coisa mais estupida que ja vi de perto na vida.  Proibem tudo, te prendem a coisas mentirosas, não dão escolhas a você em nada, e se você discordar ou não puder seguir, eles proibem as pessoas de falar com você. Juro!!! Aconteceu com a minha mãe. Quando ela separou do meu pai, os caras expulsaram ela de lá, pois não é aceito o divorcio. E todas as amigas delas que era de lá ficaram proibidas de sequer falar com ela. Ou seja, a otária passou 20 anos limpando chão da igrejinha deles pra no dia que ela ficou na pior os caras meterem a bica nela?  Palhaçada…

E você fez amigos lá?
Sim, mas todos eles sairam quando cresceram e notaram a enganação. (risos)

E você acha que todas elas são assim?
Não, cara. Tem gente boa dentro de toda igreja. O que eu não consigo entender é como que Deus cobraria % de salário de alguém para a pessoa ter fé, ir pro céu, etc? Isso não existe pra mim. Existem videos provando que bispos de diversas religioes sao bandidos, tem até aula de como tirar dinheiro dos caras no youtube porra! Tem que ser muito cego pra continuar pagando, é o que eu acho. Mas o dinheiro nao é meu cara. Igual Cassino. Nego proibe, eu sou a favor. Se vicia, problema do cara. Se dá preju, problema de quem joga. Deixa lá ue. As pessoas escolhem o que bem entenderem.

Você se considera radical?
As vezes. Mas eu prefiro ser radical e manter meus principios do que correr o risco de ser influenciado todo dia, cara. Eu tenho muitos valores e principios que pra muitos deve parecer errado. Mas, e dai? Isso é viver em uma democracia. Eu não posso é agredir alguem, destratar alguem por isso. Mas eu penso A, você pensa B, e cada um segue o seu.

Por isso você torceu pro Dourado no BBB e fez campanha no twitter? (risos)
Exatamente!!! O cara é o que é. Se ele não gosta de viado, ele fala. Não bateu em ninguem, nao deixou de dar bom dia por isso, só não quer muito perto dele, ué. É direito do cara. Eu não acho certo você dizer A num boteco e C na Tv. As pessoas fazem isso o tempo todo. Pra mim ele ganhou o BBB exatamente por isso. Ele disse na TV o que TODO HOMEM diz num boteco. Simples.

Você é homofobico?
O que é ser homofobico pra você?

Não aceitar os homossexuais, acho.
Então não sou. Aceito, o rabo é deles, dá pra quem quiser. (risos)

Mas você não gosta…
Claro que não! Que homem gosta? Quem é o hipocrita que ve a mulher gravida e pensa: “Ai, tomara que venha um viadinho!?”. Isso é patético. Ninguém quer ter um filho viado, se tiver, aguenta. Mas querer ninguém quer.  Olha só, irmão: Eu não tenho nada contra quem gosta de homem. Mas isso é OPÇÃO SEXUAL. Se é opcional o sujeito querer isso pra ele, é pra mim também não querer perto de mim. Simples assim. Não to destratando, não estou agredindo, nada! Só não quero ter amigos que falam fino, que rebolam e acham que são mulheres. Respeito o homossexual que é homem e tem prazer com homem. Mas não respeito o viado, que é aquele que quer APARECER e não exatamente se relacionar com alguem do mesmo sexo. Isso se confunde, e as pessoas acham que todo e qualquer nariz torto a uma opção é preconceito. Nao é! Eu ando e me relaciono com o tipo de gente que eu quiser, ué. Ninguém faz campanha por pessoas evitarem ter amigos EMOS ou Goticos. E ai? É opção, assim como homossexual.

Há um exagero você acha?
Claro. Virou bonito ser gay, porra. Até frases feitas você ouve, como: “Os gays são vaidosos”, “os gays são cultos”, “os gays são competentes”. Porra, vai devagar né. Daqui a pouco vão dizer que usar o cu aumenta a inteligencia do cidadão? Pedir respeito é uma coisa, e eu concordo integralmente. Querer exaltar ou coloca-los acima dos heteros já é exagero. Não precisa colocar num pedestal algo que você defende.

Você tem amigos gays?
Não. Que eu saiba né… (risos)

Por opção?
Um pouco. Não escolho amigos a este ponto. Mas dificilmente eu seria amigo de um viado. De um gay, talvez. Mas viado não. Mas principalmente porque vivo um meio que é raro. Futebol, F-1, boteco, churrasco, pagode, eu vivo isso. Não é comum um gay neste meio que eu vivo.  Se eu fosse rico, vivesse em exposições, jantares chiques e tal, talvez tivesse.

Tem medo de ser taxado como preconceituoso?
Não. Nem a pau. Cara, pode puxar tudo que eu digo sobre. Eu nunca, jamais, destratei um gay. Eu só acho que existe uma diferença brutal entre gay e viado. E eu não gosto de viado. Viado é o cara que acha que é mulher, sai gritando, rebolando, fazendo tudo para APARECER, o que é bem diferente de gostar de outro homem.  Da mesmissima forma que não gosto de crente bitolado, que não gosto de mulher vagabunda, que não gosto de playboyzinho, etc. Eu tenho meus gostos ué. É meu direito. Não?

São valores pra você?
Não. Gosto mesmo. Valores são outros, isso é mero gosto. Apenas questão de não me sentir bem perto, diferença de estilo, de modo de viver, pensar, etc.

E quais são os seus valores?
Ah cara, muitos. Eu não traio mulher, não traio amigos. Acho trairagem  imperdoavel. Não olho pra mulher de irmão, não bebo alem da conta, não uso drogas, não concordo com muita coisa que vejo por ai, mas eu sou das antigas em certas coisas. Acho que valores se recebe em casa, e não na tv.

E o Perrone em casa, sabadão, de folga! Faz o que?
Churrasco! (risos)

Todo dia, Perrone?
Quantas vezes eu puder, cara. Pra mim não existe nada melhor na vida do que um chinelo, uma bermuda, um churrasco,  a bola rolando na tv, os amigos por perto e um belo sol pra coroar. Eu não preciso de mais do que isso.

Você não é ambicioso?
Pra caralho. Materialmente então… nem se fala.

Então esse “não preciso mais do que isso”…
Não, to falando de um sábado po. (risos) Na vida eu preciso de muito mais, e quero muito mais.

O que você quer?
Tudo.

Tudo o que?
Quero um dia poder ter uma Ferrari, tá explicado? (risos)

Você sonha em ter uma Ferrari? De verdade?
Sim, queria muito. E vou ter. Demora, vai dar trabalho, mas eu terei. Pode escrever.

Confiante em seus sonhos?
Não tenho sonhos, tenho metas.

E a Ferrari é a maior delas?
Não. A maior é comprar mil reais em bala juquinha.

Como? (risos)
Xará, no dia que eu tiver mil reais pra torrar em bala juquinha, eu to bem pra caralho! Esse é meu sonho. (risos)

Você teve boa infância?
Tirando a parte de testemunha de jeová, tive ótima infancia. Me diverti muito, viajei, tive tudo que quis, conheci tudo que queria e meu pai me deu bons valores.

E a mãe não?
Também, claro. Mas minhas influencias são 200% maiores do pai, pelo futebol, pela F-1, pelo carnaval, enfim, por tudo que eu adoro. Veio tudo dele né.

Me conte do seu pai.
É um sujeito foda. Chato pra cacete, cheio de manias, mas um puta cara. Levei 30 anos pra descobrir o pai que eu tinha, mas descobri. Quando a gente é moleque acha que o pai é sempre um vilão e somos os incompreendidos. Mas não é bem assim. Meu pai me ajuda muito, me ajudou muito, me influenciou em tudo que mais amo na vida e eu tenho ótima relação com ele.

Bacana, cara. E o resto da familia?
Me dou com todos. Sem muita firula, pois não sou um cara muito ligado a familia. Gosto mais dos meus amigos. (risos)

Sério?
Eu sou ligado ao meu pai e a minha tia, que estão sempre comigo. O restante da familia eu vejo pouco. Irmão, primos… não tenho contato diário, as vezes nem semanal, e nos casos dos primos nem anual. (risos) Me dou com todos eles, mas… é mais raro.

Seu irmão é um fanático por futebol como você?
Nem liga muito, acredita? Lá em casa saiu tudo ao contrário um do outro. (risos)

E sua família acha o que do sucesso do blog, da sua carreira jornalistica, etc?
Cara… sabe que eu não sei. Acho que eles nem sabem. (risos) Ninguém me trata diferente porque o blog é famoso ou não. Não mudou nada lá nos últimos 30 anos…. Acho que meu pai nem acessa o blog, pô!

E você discute futebol com os amigos ou fica enjoado e quando está com eles evita?
Você tá de palhaçadinha comigo! Claro po!!! Discuto futebol o dia todo, com o porteiro, com o tio da banca, o bigode do boteco, o zelador, os amigos no telefone, o pai quando liga, etc. Eu discuto futebol sempre! É discutindo que você ouve opiniões contrárias e forma a sua.

Seus amigos influenciam no que você escreve?
Eu diria que eles me pautam. Não na opinião, mas no tema.

E suas paixões, fora o futebol?
Mocidade, né… Ali é foda. Até choro na apuração. (risos) Eu adoro boxe, F-1, carnaval, coleciono dvds, gosto de filmes, gosto de musica, video game. Sou normal cara. Só tenho um blog. (risos)

Video game? Qual?
Eu tenho o Xbox. Mas eu só jogo futebol. Aí, jogo no PC. Então ele tá lá, decorativo. (risos)

E é craque no Winning Eleven?
Estilo malabarista. Dou 20 dribles e perco o jogo de 1×0 pros Muricysticos.

Você e o Muricy… só não entro no assunto porque futebol é proibido!
Então entra, porque ele não tem nada a ver com futebol. (risos)

Você é uma figura. Se não fosse jornalista, seria…
Puta que pariu… acho que eu nem sou jornalista direito. Eu comento futebol, apuro uma coisinha ou outra, mas eu acho que jornalista bom mesmo é quem vive disso. Eu não vivo disso exatamente, então, levo como uma diversão, com uma dose de responsabilidade pelo tanto de gente que lê, mas não me considero um jornalista de sucesso. Me considero um cara que conhece futebol e que escreve numa linguagem diferente. E deve ser boa, porque dá ibope.

Mas se não fosse isso. Seria o que?
Advogado, acho. Adoro bater-boca, discuto bem, tenho sempre razão. (risos) Sou chato pra discutir. E adoro uma discussão.

A sua mulher acha o que desse seu ritmo de trabalho?
Olha cara, a gente ainda não mora junto. Hoje ela não reclama muito, mas quando casar ela vai se irritar, certeza.

Você não tem hora pra nada, folga pra nada?
Tenho… mas eu trabalho em horarios absurdos. Porque veja bem. Minhas coisas andam no horario comercial, igual a todos. Mas, quando acaba, entra futebol, blog, sites, etc. Ai, quarta e quinta eu não tenho noite. E vou dormir tarde, acordo tarde, fico morto na sexta. Fim de semana tem jogo o dia todo. Minha vida social fica meio complicada mesmo. Mas, é a vida. Não reclamo não, eu escolhi isso, tenho emprego, sou bom no que faço, tenho saude e não tenho do que reclamar.

Você é feliz, então?
Porra, eu reclamo, como todos. Mas quando eu vejo o mundo, as pessoas com fome, sem chances, as vezes sem saude, com terremoto, tudo isso… eu me sinto um puta sortudo. Eu tenho amigos ótimos, uma familia decente, saude, faço o que gosto, meu trabalho é reconhecido, moro bem, vivo bem, como bem, sou brasileiro, não tenho medo de atentado ou terremoto. Aqui faz sol, as pessoas se toleram mais, as pessoas são boas. Eu amo esse país, esse lugar, o nosso jeito de viver. Eu sou feliz sim cara. Bastante. E acho que todo brasileiro tem que ser pelo menos 50% mais feliz que qualquer outro sujeito do mundo. Nós somos especiais.

Você é patriota ou pacheco?
Os dois. Eu amo muito isso aqui, tenho muito respeito pelo meu pais. É uma merda, eu sei, mas é a melhor merda do mundo. Só nos falta juizo, um pouco mais de noção para cobrar os caras lá em cima. Fora isso, ninguém tem nosso sol, nossa gente, nosso futebol, nossa alegria, nosso jeitão de “foda-se”, essa irresponsabilidade saudavel as vezes. O jeitão carioca, sabe? Porra cara, aqui tem tudo! A gente é feliz, brincalhão, pode tudo, ri de tudo, não precisa agendar pra ver amigos, é só chegar. Eu não sei se é meu jeito de vida ou se é cultural, mas eu não troco isso por nada, e acho que a gente é muito imbecil de ficar metendo o pau no Brasil o tempo todo, como se fossemos menos.

Rica, eu entrevistei mais de 14 pessoas do futebol sem falar de futebol pra este trabalho até agora. Você é disparado o mais simples deles.
Ah, obrigado. Não elogia que eu fico com vergonha… (risos)

Não lida bem com elogios???
To brincando, pô! Eu sou o cara. Elogia aí que eu mereço. (risos)

É uma figura. Obrigado, cara. Se eu tivesse mais 10 paginas na revista falaria com você por mais 2 horas. Mas, infelizmente, acabou. Obrigado pelo “papo de boteco” e pela atenção.
Tamo junto! Precisando é só chamar. E vê se não enfia esse trabalho na prateleira do professor. Publica!

abs,
RicaPerrone