Home » Futebol » Clubes » São Paulo » Tem que rir mesmo

Tem que rir mesmo

pauloautuori_juvenaljuvencio_ae_evelsondefreitas_15

Juvenal fez seu stand up no CT apresentando Paulo Autuori. Falou, debochou, ironizou, comparou, menosprezou, se exaltou.

Ele faz o tipinho “lenda viva”, quando na real já se tornou uma piada velha, repetitiva e sem graça. A mídia ri, afinal, ela não tem nada com os resultados do clube, com a administração e a sala de imprensa segue muito bem arrumadinha.

Juvenal é um gênio. Manipulou o mais organizado clube do país até que ele virasse uma zona. O time que não demitia, demite toda semana. O time que não tinha briga política fez o pai dos seus netos se lançar candidato na oposição (Marco Aurelio Cunha). O clube exemplo copia os outros depois de debochar. E o time que ganhava sempre hoje não vence e ainda acha “engraçado”  ter um ídolo que debocha do clube.

O estatuto intocavel? Ele mudou. Se reelegeu 2 vezes, fez a oposição engolir, distribuiu brilhantemente os cargos e uniu os que hoje são contra enquanto a bola entrava.

Não suporto o que vejo no São Paulo hoje. Os caras que viram ele fazer todas essas merdas durante os 3 primeiros anos nunca sairam de lá porque ganhava, dava ibope, era “do cacete” ser parte da diretoria campeã. Juvenal não mudou. A bola parou de entrar, só isso.

E então, os não menos oportunistas de plantão se viraram contra ele e foram a mídia dizer que nunca concordaram. Isso também é um sintoma de que os próximos capítulos podem ser tão ruins quanto.

Todos os dirigentes, em conversas não gravadas pelo CT, eram contra muito do que Juvenal fazia no SPFC em 2006, 2007 e 2008. Mas todos eles ficaram lá e foram pra foto do título. Quando parou de entrar, sumiram e hoje questionam algumas coisas publicamente até.

Terceira camisa não podia. Até que o novo marketing do clube fizesse a camisa mais bizarra da história e fosse a campo com ela. Cadê os mil vetos as lindas camisas anteriores que não podiam ser usadas?

Eu não sou contra o Marco, nem o Leco, menos ainda Adalberto, João Paulo, Casares, etc. Me dou bem com todos eles, inclusive.  Só não acho justo que agora que a torcida se voltou contra a diretoria os caras saiam dizendo que também são contra aquilo que por muitos anos assinaram embaixo.

A culpa disso tudo é MUITO da omissão de quem estava lá, do conselho, dos sócios, da torcida e da diretoria mais próxima que não brecou e também não quis sair enquanto ganhavam títulos.

Todos são culpados.

É muito fácil agora dizer que o clube mais organizado do país e seus 200 conselheiros, 15  milhões de torcedores e outros 30 diretores foram todos enganados por um sujeito.

Se for o caso, Juvenal é um gênio. Não sendo, tem muito vilão se fazendo de vítima pra torcida agora.

Eu quero sim um novo São Paulo. Mas não com o Marco Aurélio de presidente. Quero ele de diretor de futebol, onde a relação pessoal fortíssima com o Juvenal não vá atrapalhar. Quero Julio Casares cuidando do marketing ou mesmo da presidencia. Quero as pessoas em seus devidos lugares, aparecendo mais ou menos conforme o cargo, e não indo a campo ou não conforme o placar do jogo.

Nós todos, e vou me incluir mesmo tendo sido contra a diretoria pois sou sócio daquele clube desde que nasci, fingimos não ver em troca de um tricampeonato de pontos corridos sem brilho algum.  Como Mustafa, Dualib, Eurico, nos “vendemos” a titulos sem olhar o quanto custaria.

Não tem mocinho, vítima e nem um só vilão.

Foi uma grande cagada que levou o São Paulo a isso, e só uma grande mudança vai reverter.

Só cuidado com os dedos apontados pro Juvenal. Foram muitos dos mesmos que assinaram cada “golpe” dele enquanto a bola entrava.

Um novo São Paulo se faz com atitudes grandes, como a de reconhecer os erros e não de fingir não ter feito parte deles.

abs,
RicaPerrone