Home » + Chamada » Sem a verdade é tudo blá, blá, blá

Sem a verdade é tudo blá, blá, blá

Entre o que sei, o que ouço e o que acho há uma delicada relação que pode mudar com uma frase.  O caso Michel Bastos no SPFC é típico.  Você não sabe quem está falando a verdade, os jogadores tem medo de expor a diretoria em casos de atraso, a diretoria fica muda e o que se rebelou paga o pato.

Começando, acho Michel um puta jogador. O melhor do time.  Em má fase? Sim. Errado em ser o representante da “revolta”?  Não. Até onde sei, não.

Não passa pela minha cabeça que Michel esteja de sacanagem. Se está mal, está porque é fase. Assim sendo, vamos aos “fatos” e “quase fatos”.

Sabemos, sem confirmação do quanto, que o SPFC deve a seus jogadores.  Começa aqui uma relação onde o chefe perde a razão e, portanto, abre espaço para esse tipo de “crise”.

“Ah mas jogador é rico e não precisa…”, pára! Tá errado.  Não é precisar, é uma relação profissional e ponto.  Se você não cumpre sua palavra num acordo, o outro lado perde a confiança, a relação se abala e tudo vira uma bola de neve. Não é “precisar”. É respeitar o que acordo.

Devo, não nego, pago quando puder.  E me traga Calleri, Lugano e mais um pra ganhar alto.  Opa! Isso gera uma reação.

Michel não é o dono de nenhuma guerra contra a diretoria. É apenas o capitão do time e portanto representa a insatisfação de todos quanto a isso.

Falta verdade.  O quanto devem? Porque? Prometeram e não pagaram? Quantas vezes? Estão cometendo aquele erro clássico no futebol de pagar alguns e deixar outros sem?

Sem essas respostas claras, não dá pra julgar.

O que temos até agora é um atraso no pagamento que determina um erro por parte da direção com os jogadores. Outro erro é achar que porque um time todo está claramente insatisfeito com alguma coisa e rendendo pouco a culpa é do único que se sujeitou a se posicionar sobre o assunto.

O São Paulo não tem o que precisa.  Nem patrocinador pra gerar dinheiro, nem dinheiro pra pagar jogador.  E precisa, enquanto isso, de uma torcida e não de uma escola de samba.  Precisa reaprender a lavar roupa suja em casa e fechar as portas pra quem faz de problemas uma crise sem fim.

Precisa reinventar sua forma de agir e parar de viver dos gloriosos anos que o legado de Marcelo Portugal deu aos que o sucederam.

abs,
RicaPerrone

 

Comentários