Home » + Chamada » Rio, a ex que ficou gostosa

Rio, a ex que ficou gostosa

Sou brasileiro e portanto jamais vivi sequer 24h onde as pessoas a minha volta sentem mais orgulho do que vergonha.  Até mesmo quando cabe o orgulho, logo o brasileiro se lembra de alguma vergonha para conseguir conviver com isso de forma mais natural.

Há 10 dias eu não sabia o que era uma Olimpíada e nem mesmo o que ela faz com as pessoas e a cidade sede. Há 10 dias meus amigos não se importavam muito  e eu mesmo não estava mais do que “contente”, no máximo, em receber os jogos.

Já estamos com 5 dias de jogos olímpicos e eu nunca vi o que estou vivendo no Rio de Janeiro.

A cidade é uma ex cheia de problemas que você detonou pro mundo, tem razão em quase tudo que disse, mas que agora que tu largou ela apareceu magra e gostosa.  Por mais que você saiba que os problemas continuam lá, é oficial: você se fudeu.

O sentimento de revolta deu lugar a um sentimento orgulhoso que eu nunca imaginei que pudesse vir com as Olimpíadas. O Rio de Janeiro respira esporte e sorri pro mundo. As pessoas estão na rua, porque querem ver. Eu nunca vi um brasileiro tão orgulhoso do quintal quanto os cariocas desfilando pela cidade nestes últimos dias.

Tem mil problemas. Não é esse o ponto. O clima é absolutamente fantástico.  É ippon sendo discutido em bar, é o porteiro que fala que viu um croata como quem vê um canguru na avenida paulista.  “Mãe, olha! Um croata!”.  Pois é, maneiro! E sorrimos pra eles. Porque somos assim, meio bobos, meio que “legais pra caralho”, mas no fundo “únicos”.

Eles, os cariocas, morriam de medo da praça mauá.  Agora eles passam por ela e mostram pros gringos que beleza que é.  O carioca é naturalmente meio arrogante, afinal, mora onde mora. Mas imagina esse cara num estado acima do normal de euforia e orgulho tendo motivos pra isso?

Eles cagam na sua cabeça com o olhar.  Mas não é maldoso, é algo tipo: “Você não é do Rio? Ô coitado…”.

Eu tô adorando. Eu nunca vivi esse ambiente de diversidade cultural somada a incrível reação de não nos sentirmos “menos” que os outros.  O Rio deu uma aula pro mundo na abertura e agora aprende. Não com os gringos, mas com ele mesmo.  Aprende que dá pra melhorar, que é possível receber eventos, que não somos uma aberração e que temos nossas qualidades, basta nos aceitar como somos.

O medo que temos de desagradar os gringos acaba no exato minuto que eles olham pra nós e se encantam com algo que consideramos até “cafona”, mas que no fundo é o que temos de mais encantador.

Eles não vieram aqui ver o que eles tem lá. Vieram nos ver. E ninguém nesse país mostra melhor o que tem do que o carioca.

Hoje o Rio de Janeiro é o centro do mundo. E portanto o mundo nunca foi tão problemático, porém nunca foi tão feliz.

abs,
RicaPerrone

Comentários