Home » Futebol » Clubes » São Paulo » Respeito

Respeito

Senhores, não farei qualquer tipo de cerimônia hipocrita para tentar colocar a Ponte Preta como “grata surpresa” ou o SPFC como “surpreendido”.

Não direi que a “Macaquinha gloriosa” isso ou aquilo, primeiro porque ela não é gloriosa, segundo porque o foco é obviamente o São Paulo e a sua derrota.

Não tentem me convencer de que “acontece”. Eu sei que “acontece”.   O problema é que “aconteceu”.

Antonio Carlos, Muricy e sua síndrome de mata-mata, o Juvenal e o Moises Lucarelli, seja lá qual for o seu “vilão”, nada vai diminuir a cara de “inacreditável” do sãopaulino nesta quinta-feira.

E sim, é inacreditável.

Não vamos perder muito tempo tentando descobrir como a rebaixada Ponte Preta fez 3×1 no São Paulo em casa.  Vamos além.

Juvenal não perdeu o jogo. O mando de campo “motivou” a Ponte,  e dai?! Quer dizer que a Ponte Preta animadinha é mais time que o São Paulo de Jadson, Luis Fabiano, Ganso e etc no Morumbi?

Não, não é. Nada justifica.

A questão é 0 segundo “mata” do mata-mata.  E nele, seja em Mogi, no Moises Lucarelli ou na casa do presidente da Ponte, é obrigação do São Paulo vencer o jogo e ser eliminado, no máximo, pelo gol fora.

Ficou difícil? É, ficou.

Agora tente me convencer que o São Paulo não pode ganhar da Ponte Preta de 3×0.

Tem volta. E nesta partida não é a Ponte Preta o maior rival do São Paulo. Mas sim a dignidade de um clube infinitamente maior que pode até ser eliminado, faz parte do jogo.

Mas não humilhado.

Se eu fosse presidente do SPFC mandaria o elenco pra concentração a partir de amanhã, com treinos em 2 periodos e pediria a Conmebol que reavaliasse o Moises Lucarelli.

A sulamericana não vale nada se comparada a honra da camisa do SPFC. E esta sim, está em jogo.

Dá pra virar. Tem que virar. E sim, é obrigação ganhar o jogo de volta.

abs,
RicaPerrone

Comentários