Home » Futebol » Campeonatos » Copa do Mundo » Por que torcer pela Bósnia?

Por que torcer pela Bósnia?

O texto abaixo é do meu amigo Marcelo Adnet, melhor humorista do país, e um cara apaixonado pela história da Bósnia.

——————————————————————–

Pra quem nós vamos torcer? Pro Brasil, é claro. Em poucos momentos, pra não dizer nenhum, somos nacionalistas ou nos unimos em torno de algum evento como acontece com a Copa, exceção feita à semana final de uma novela.

Mas, dentre as 32 seleções e os 64 jogos da Copa, é normal acontecer uma torcida paralela para outra Seleção enquanto o Brasil não joga. Os motivos são diversos: parentes em um país, um jogador do seu clube em campo ou até motivos políticos e sócio-culturais.

Entre a simpatia das seleções africanas, a força das europeias e a vizinhança das sulamericanas, uma seleção se destaca – a Bósnia e Herzegovina. De cara, podemos dizer que ela é a única estreante em Copas desta edição. É uma zebra, pouco conhecida e pouco badalada. De quebra, os Dragões estreiam contra a Argentina, domingo, no Maracanã. Não é pouca coisa não.

Mas não é por isso que o país comemorou a classificação como se fosse um título mundial.

O futebol tem sido o motivo de maior alegria dos bósnios nos últimos 20 anos. A Bósnia e Herzegovina (região majoritariamente croata, ao sul do país) , era o estado mais miscigenado da Iugoslávia, a “Jerusalém dos Bálcãs”, onde bósnios, croatas, sérvios, ciganos e turcos conviviam – votou pela sua independência do governo controlado pelos sérvios em 1992, seguindo Croácia, Eslovênia, depois Macedônia, Montenegro e Kosovo. Os governantes sérvios, orquestrados pelo líder Slobodan Milosevic abriram fogo contra a população desarmada e iniciaram uma guerra que ficou conhecida como o pior massacre na Europa após o Holocausto. O país de 4 milhões de habitantes acabou a guerra civil com metade da população – 1,4 milhões de refugiados e 100 mil mortos. Ignorados pela comunidade interacional, os mais de 3 anos de conflito culminaram com o Massacre de Srebrenica, o assassinato de mais de 8 mil homens – entre 12 e 70 anos – na cidade de mesmo nome. As mulheres jovens foram enviadas para campos de estupro. Está tudo gravado, tudo disponível ali no youtube. O general sérvio Ratko Mladic divide a população em ônibus enquanto os soldados da ONU choram, sem ação. Os mais de 8 mil mortos foram enterrados em valas coletivas e novos corpos são velados todos os anos, no dia do massacre, 11 de julho. Alguns conseguiram escapar pela floresta, andando dias até a cidade de Tuzla. Muitos morrem com facas (noz, em sérvio) e enforcadas com arames (zica, em sérvio). Por isso, até hoje alguns torcedores da Sérvia ainda cantam nos estádios “Noz, zica, Srebrenica” (“faca, arame, Srebrenica”), deixando claro que o futebol carrega toda a complexa e violenta história política da região.

A alguns quilômetros dali, em Sarajevo, a população sobrevivia como podia ao cerco de 3 anos imposto à cidade. Sitiada, bombardeada, sem água, sem energia, Sarajevo via seus civis morrerem ao andar na rua, sob a mira dos snipers sérvios, que atiravam do alto das montanhas. Em abrigos, crianças se amontoavam. entre elas estava o menino Edin Dzeko, que não imaginava que, 20 anos depois, estaria vivo e no Brasil, representando o seu país que resistiria a guerra e se tornaria independente. Este cerco, somado ao massacre de Srebrenica, à destruição de várias vilas e da milenar Mostar, não deixam dúvida – o povo bósnio sofreu genocídio, conforme declarou o Tribunal de Haya. Os líderes sérvios foram protegidos pela população do país vizinho e nunca pagaram por seus crimes de guerra.

Com o bombardeio de um mercado em Sarajevo, enquanto a população fazia fila por pães, a comunidade internacional finalmente interveio e forçou um “Acordo de Paz”. O mapa do país foi desenhado em Dayton, nos EUA e tem peculiaridades bizarras: o acesso ao mar é garantido por cerca de 20 km de litoral através de uma espécie de corredor que cruza a Croácia até o mar. A Bósnia e Herzgovinafoi dividida em duas entidades independentes – A Federação Bósnia, que abriga bósnios e croatas, e a Republika Srpska, dos sérvios. Assim, cidades bósnias como Srebrenica passaram ao controle dos sérvios, legitimando o genocídio ali ocorrido. a guerra acabou, mas a divisão política, ideológica e religiosa (servios são ortodoxos, croatas católicos e bósnios muçulmanos) ainda existe e compromete o desempenho do país. Os sérvios não se sentem parte do país e nunca entram em acordo com o governo da Federação bósnio-croata. Assim, o hino bósnbio foi substituído por um novo, cuja letra nunca foi aprovada. Por isso, quando toca o hino da nova Bósnia, a torcida do país canta o hino antigo por cima, criando a maior confusão. Os sérvios da Bósnia já pensam na separação da Republika Srpska – 49% do território bósnio e o presidente da Republika Srpska, Milorad Dodik, declarou que não torce pela Seleção da Bósnia e que não daria um centavo para os Dragões. “Chora Dodik, não precisamos de sua ajuda, Bósnia tá no Brasil e os sérvios? Ninguém viu” diz a canção “Placi Dodik” que ganhou ai internet, entre outras tantas piadas e gozações neste momento único de afirmação da independência bósnia. A BiH está em êxtase, em festa. Não é pra menos, o país que quer esquecer o passado e construir o futuro encontrou no futebol o motivo de maior orgulho de sua história. Quando os Dragões entrarem em campo logo mais, entre exilados e sobreviventes, estarão escrevendo o capítulo mais feliz da história do seu país. Por isso, seja qual for o resultado, essa Copa já é da Bósnia Herzegovina. Sellam Alejkum, que encontrem a tão sonhada paz!

Marcelo Adnet

Comentários