Home » Futebol » Clubes » Inter » Oscar: Burrice e arrogância

Oscar: Burrice e arrogância

Enquanto babamos por “modelos europeus” de administração e visão, continuamos aplaudindo atitudes mediocres que nos convém quando torcedores.

Culpa do Inter? Culpa do Oscar? Culpa do São Paulo?

Todo dia recebo e-mais dizendo: “E sobre o caso Oscar? Não vai falar nada?”.

A tradução do e-mail é: “Nao vai defender meu time nessa polêmica?”. Pois é só isso que quer o torcedor, naturalmente. E é isso que a imprensa está olhando, afinal, as vezes a direção é dada pela paixão e não pela razão. Como se na imprensa houvesse mais razão do que paixão, diga-se.

Oscar saiu, ao meu ver, influenciado por empresários.  Não deveria, mas quem sou eu pra saber o que de fato aconteceu nos bastidores dessa merda toda?

Culpar o moleque de 16 anos? O SP que devia uma grana? O Inter que “aliciou” o jogador?

Com todo respeito, caro Juvenal, mas falar em aliciar jogador no SPFC é meio absurdo, não acha? O SPFC foi um dos clubes que mais fez uso de justiça para contratar jogador nos últimos anos. “Aliciou” jogador de tudo que é lado, criou 200 inimizades por isso e agora, vítima, vem fazer chororo?

Nessa não cola.  Chora pela decisão da justiça, talvez. Mas por aliciar jogador é quase o Beira-Mar pregando contra o tráfico.

E o Inter, que anda gostando da situação de vítima, não deveria pegar um jogador em disputa judicial com o SPFC.  Fez porque é burro, arrogante, igualzinho o time do Morumbi e os outros 200 times do Brasil. Todos imediatistas, pequenos em suas administrações.

Se Oscar entra na justiça com o SPFC e outro grande vai e compra, os meninos do Inter também recebem o recado.  Não adianta agir “cada um por si”  buscando um bolo melhor sendo que todos são meros ingredientes do mesmo bolo.

Se desandar a massa, fodeu pra cereja e pro recheio. Não tem conversa.

O vencedor dessa palhaçada toda se achará o “pica das galaxias”. E será só mais um pastelão a abrir precedente para que, amanhã, ele tome nas costas o mesmo que acabou de fazer. O SPFC, por exemplo, só está vivendo isso tudo porque ele fez muito esse tipo de “aliciamento” num passado recente.

Vai, mas volta. Adianta?

Porque não agem como homens, sentam na mesa e decidem o básico: “O Oscar não pode sair bonito nessa. Porque se sair, amanhã outros 200 garotos fazem o mesmo em todos os clubes, inclusive no “vencedor” deste caso”. Então, resolvam igual gente grande, sem mídia, sem recadinho, sem colocar o garoto como uma jóia preciosa de valor inestimavel.

Se parado, desvaloriza. Azar do SPFC. Se jogando, sorte do Inter, mas com um acordo razoável, sorte do SPFC numa venda futura.

Mas não. Ao invés de manter o menino no Inter, aprender a na próxima os clubes sentarem na mesma mesa antes de fazer guerrinha de comida no salão, eles vão brigar pelas migalhas do garoto de 17 anos, que fatalmente será desvalorizado, fazendo com que os dois clubes sejam lesados e o garotão, nem aí.

Quem é o burro? Ou o Colorado acho que ganhando essa amanhã um garoto da sua base não enxergará neste episódio um caminho?

Ou o SPFC acha que trazendo de volta e vendendo “pelo que derem” ou forçando o rapaz a jogar onde não quer vai resolver o que? Sua honra contra o colorado? E amanhã? Ou melhor, ontem, quando o proprio SPFC tirava jogadores da mesma forma de rivais?

É uma bola de neve, é burrice, arrogância. Eles não notam que, juntos, parariam com tudo isso. Enquanto separados brigando igual duas meninas no colegial, só pioram.

O simples é que Oscar “largou seu clube de criação” e isso deveria ser visto como um erro até pelo Inter. Mas hoje, com a decisão da justiça tomada, o SPFC perde dinheiro se retira-lo da Libertadores e do Inter, já que está prestes a ir pra seleção. O Inter perde o jogador e também o desvaloriza e no final os dois clubes perdem dinheiro enquanto o bonitão vai encher o rabo de euros na Europa.

Quem é o malandro?

Da 30% pro Inter, fica com 70%, deixa o cara “emprestado” la até dezembro, que seja. Ele voa na Libertadores, vai pra seleção, vendem no final do ano e todo mundo sai feliz.

Mas não. O ego é maior do que o cérebro. E fatalmente o bolso paga por isso.

abs,
RicaPerrone