Home » Futebol » Clubes » Flamengo » Os peruanos estão soltos

Os peruanos estão soltos

Dizem que tudo na vida tem um limite. E o futebol é um caso comum de falta deste limite.  As pessoas se perdem, se colocam como soldados de um time, de um jogador ou seja lá da palhaçada que for e usam de agressão, verbal ou física, pra intimidar quem discorda delas.

O que aconteceu hoje na Gávea é apenas reflexo do que vivemos todo santo dia, só que virtualmente. Peruano é um sujeito que não conheço, e nem quero. Pois não me relaciono com esse tipo de gente.

O problema é que tem Peruano em todos os clubes do país, e acredite: São piores que as organizadas.

Numa torcida você sabe que está lidando com gente maluca, apaixonada e muitas vezes sem muita cultura ou berço pra diferenciar uma opinião de uma agressão. Quando na tribuna, ou mesmo na web, você parte do principio que as pessoas que ali estão tem senso do ridiculo. Mas não tem.

São piores, pois com toda condição que a vida lhes deu, preferem ser imbecis.

Outro dia, jornalista que sou, fiz um texto exaltando os 100 anos de Corinthians, grande clube do nosso país. Alguns dos pendura-saco da diretoria do clube vieram me ameaçar, ofender, etc.   Playboyzinhos, daqueles mimados que se acham “donos do clube” ou da verdade.

E tá cheio. Tem na arquibancada, onde você tolera por saber se tratar, muitas vezes, de gente que não teve berço pra separar. E tem os da “cativa”, que são os casos de internação.

Arthurzão levou hoje, na Gávea, a porrada que todos nós levamos todos os dias por e-mail, twitter ou seja lá onde for.

A intolerancia, a burrice e o “direito de ser imbecil” em nome de um clube está acabando com a relação imprensa/torcedor. E pior: Obrigando gente fraca a ser puxa-saco de dirigente pra poder viver no meio.

Não conheço um jornalista de opinião contundente que não seja ameaçado por ai.  Agredido virtualmente virou rotina. Somos 24h xingados como se fossemos brinquedo de torcedor.

Meu blog já não tem mais comentários. E outros em breve não terão.

Não importa o que o Arthur escreveu. Importa que é direito dele, desde que não acuse e ofenda ninguém.  E é DEVER de quem lê gostar, não gostar, e só. Não de agredir por discordar.

O espaço que a minha geração não teve pra perguntar, discordar e opinar, esta tem. E não sabe o que fazer com ela.

Mas existe a lei da selva pros dois lados. Se é mole ser torcedor e agredir e ameaçar jornalistas, também é mole um jornalista agredido levar isso a consequencias 20x maior do que se fosse um anonimo.

Quem ganha? Ninguém.

Mas Deus limitou só a inteligencia. A burrice, não.

abs,
RicaPerrone