Home » Futebol » O protegido

O protegido

Richarlyson merece uma estátua. Sim, merece! Ele consegue ser o mais famoso jogador a não jogar quase nada no país. Consegue ser o títular de 2 posições e reserva imediato em outras 2 sem jogar quase nada em nenhuma delas. Consegue aparecer na mídia mais do que seus companheiros. Pelos gols? Não, porque é espalhafatoso, num adjetivo não condenável pela hipocrisia nacional.

Richarlyson não é gay. E está na hora das pessoas notarem isso. Aliás, passou da hora.

Vejamos: Ha 31 anos eu vou ao estádio na arquibancada.  Hoje, infelizmente, não posso mais porque tem muito animal lá em cima e quem usa mídia pra opinar não pode se  misturar com pessoas nesse país. Nos 31 anos, o adversário sempre teve um jogador chamado de “viado” o jogo todo.

Alguma vez você leu manchetes: “Torcida do Fluminense é homofobica com Romário”?

Não, porque era um “viado” surreal. Mas, com o Ricky, qualquer merda que alguém fale é preconceito.

Preconceito do que, pergunto eu?

Ele não foi na TV e disse: “Não sou gay. E se fosse, assumiria numa boa”. Ok, palavras dele.

Assim sendo, quem são estes que dizem haver PRECONCEITO com ele? Preconceito do que se ele não é gay? Homofobia com heteros?

Acho razoavel que ele mesmo pense em processar as pessoas que o chamam de gay através destas manchetes, e não quem insinua pelo seu jeitinho tosco e provocativo. Sim, tosco. Se não fosse tosco não seria manchete toda semana sem jogar nada. É porque gosta, porque adora aparecer.

Aliás, é assim porque é o único jeito de aparecer. Já que no campo, me desculpe, mas… não rola.

Homofobia e Richarlyson não são assuntos que andam juntos. Isso é criação das pessoas, certo Ricky? Afinal, se não é gay, não tem porque falar em “preconceito” na TV. Soa oportunismo.

Que a mídia tem um pezinho no freio com ele é clarissimo. Mas isso é só reflexo nacional do direito dos gays em serem inquestionáveis. Ops, desculpa. Esqueci que ele não era. É que eu ouço e leio tanto que acostumo.

Mas, se ele não é gay, porque a mídia tem esse tratamento “cauteloso” com o cara?

Porque ninguém consegue ir na TV e dizer: “Ele não está jogando porra nenhuma há 2 anos”?

Será pecado ou crime dizer que o garotão se acha craque desde sua ida absurda à seleção e que, desde então, achou que sabia dar passe de 3 dedos? Não, Richarlyson, não sabe. Corre, marca. Só.

Não tenta jogar bonito, você não sabe.

Aí, como ninguém pode falar dele pela bola que deveria jogar, mas não joga, a maneira de aparecer é cantando, se vestindo igual mulher, rebolando, fazendo gracinhas, etc. Ninguém no mundo aparece fora de campo tanto quanto Richarlyson. É um fenomeno!

Entenda uma coisa, caro Ricky, jogador que sempre foi muito educado comigo, diga-se.

Ninguém vaia você por ser ou não um homossexual. Ok, alguns vaiam, mas você nem é.

Vaiam você porque você não joga nada e, pior, acha que joga. Aí, compromete.

Eu sei, tem blindagem. Aquela que você reclama e chama de perseguição, é a mesma que te mantém isento de criticas. É o lado bom de ser “diferente”.

Então, caro Ricky, uma sugestão:  Começa a jogar futebol e tentar aparecer pelo seu trabalho. A torcida de qualquer time fica de saco cheio de ver um jogador do clube nas colunas sociais ou na parte do “Planeta Bizarro” da Globo.com ao invés de ver na página de esportes.

Quem procura é você. Quem inventou preconceito foi você. E quem citou preconceito, sendo que não pode haver preconceito ou homofobia com um hetero, foi você também.

Quem inventou essa situação e a alimenta todos os dias é você.

Não reclama. Cansei de te ver na Tv se fazendo de coitadinho. Joga futebol e tenta manter sua vida pessoal só pra você.

Assim, além de respeito, será lembrado como jogador.

Coisa que, hoje, infelizmente, não é.

Ah, em tempo: Se eu fosse o Ricardo Gomes sacava do time amanhã! Não porque sou homofobico, mas porque ele é ruim mesmo.

abs,
RicaPerrone