Home » Futebol » Clubes » Corinthians » O basicão, o craque e a vaga

O basicão, o craque e a vaga

O Corinthians foi pro Morumbi e manteve os  3 homens de frente, o que muitos duvidavam.  Se defendeu, porque jogava fora, por empate, contra um time mais forte no papel.

O SPFC inventou. Jogou sem lateral direito e correu o risco de ter um técnico super-man. Se acerta, diria ser nó-tático.  Mas, não acertou. O time jogou a mesma coisa de sempre, deixou o lado direito aberto pro rival e levou 2×0, com direito a olé no final.

A surpreendente torcida tricolor reagiu de forma incrível! Nunca vi isso. Aplaudiram, empurraram e deram força ao final do jogo. Chateados, óbvio, mas focando a Libertadores.

Foco que a diretoria/técnico não tiveram porque foram incoerentes, bastante arrogantes e também porque era mata-mata, o que não facilita a vida do Muricy em 3 anos e meio de clube. 

O SPFC abriu mão de ser lider na Libertadores para vencer um rival num campeonato que ele disse não valer quase nada. Incoerente.  Perdeu em atuação de frouxos no Morumbi. O time não pegou, não vibrou, não fez nada demais.

Quem fez o “basicão”? O Corinthians. Se defendeu, contra-atacou, prendeu a bola, pensou quando teve a bola e não se intimidou.

Do outro lado a zaga perdida porque o Muricy resolveu que o SPFC não teria nem 3 atacantes e nem lateral direito. Teve o Dagoberto parado do lado direito marcando o André Santos.  

Uma senhora aposta. Arriscou tudo pra ser genio ou burro. Saiu burro, porque não funcionou.

O Mano foi muito bem novamente. Nos dois jogos anulou bem as jogadas do SPFC pelos lados e soube contra-golpear com força.

Agora… tem que dizer a real: O Ronaldo decidiu boa parte da vaga.

Existe um abismo entre o que chamam de craque num lado e no outro. O SPFC tem o bom Hernanes. O Corinthians tem o genial Ronaldo. Em 2 lances, fim de papo. Finalistas porque tiveram calma, o craque e não invetaram moda na decisão.

Com todos os méritos, o Corinthians invicto chega a decisão.

E o SPFC, péssimo em mata-mata há 3 anos e meio, perde de novo, desta vez com direito a invenção tática do melhor técnico da imprensa.

Já disse, repito e o tempo vai me dando razão: É bom! Mas, com esse elenco, estrutura, sem vender na janela, repondo peças, Reffis e planejamento, não  faz feio em campeonato de pontos corridos nem com o Lazaroni. Em mata-mata, há 3 anos e meio, o SPFC é um time que fracassa.

E o SPFC que não venha com o papo de “o importante é a Libertadores”, porque quem optou pelo jogo de hoje foi o próprio SPFC, através de sua diretoria e comissão técnica.

São dados, só cego não vê. 

Abs,
RicaPerrone