Home » Futebol » Clubes » Santos » Neymar e só

Neymar e só

Cada um vê o que quer numa grande partida.  Alguns ficaram com a discussão do penalti, outros com o gol anulado, outros com o gol validado.  Centenas de milhares focarão no erro do Denis, que falhou, como todos, e pediu desculpas, assumiu, como poucos.

“Foi o Paulo Miranda!”, “Foi o Denis!”, “Foi sorte!”, “Foi o juiz!”. Procure o que melhor lhe confortar.

No Morumbi tivemos uma aula do que é futebol. E não, o Santos não jogou sequer melhor que o São Paulo. Mas Neymar, que também não fez uma partida o tempo todo acima da média, pegou na bola umas 5 vezes para fazer o futebol ter sentido.

Ele dribla, corre, apanha, levanta, se joga, irrita o adversário, faz o gol, aguenta a gozação da torcida alheia e devolve na mesma moeda.

Neymar é futebol na sua forma mais pura. Não aquele que hoje discute se “pode ou não”  dar um drible quando está ganhando. Mas aquele que dá o drible e não perde um minuto ouvindo a discussão sobre ele.

Neymar não está preocupado em fazer um gesto feio pra torcida do São Paulo. Mas se ela cantou que “Eu quero Tchu, Tcha, quero a bunda do Neymar”, é de enorme bom gosto fazer o gol, eliminar o São Paulo e dançar o “Tchu, Tcha” de frente pra eles.

Ele goza de quem tenta pará-lo.

Disse o Cícero que “Neymar tirou sarro que ja era”, reclamando do craque quando o expulsou. Mas sim, já era. E você, bobo, foi mais cedo ainda.

O nhe nhe nhe ganhou proporções enormes. Hoje não há um ato espontâneo que não venha seguido de um discurso moralista e irritante.

Neymar pegou na bola 5 vezes. Fez 3 gols, expulsou um e obrigou Leão a substituir outro. Ao final, Leão foi lá falar sobre “como agir”, sendo ele o sujeito mais arrogante de todos os tempos no futebol brasileiro.

Neymar jogou, resolveu, irritou, apanhou, simulou e saiu ganhando. No final, abraços nos rivais, festa com sua torcida, nenhuma ofensa aos derrotados, e muita gozação com quem o xingou.

Neymar é o puro futebol brasileiro. Aquele que tentam destruir inventando “códigos de ética” modernos para se adequar ao mundo politicamente correto.

Neymar é politicamente craque.

E se você não gosta dele ou torce contra ele… azar seu. Como hoje, como quase sempre, ele vai rir no final.

Não venceu quem jogou melhor no Morumbi. Venceu Neymar.

E precisa mais?

abs,
RicaPerrone