Home » Outros Esportes » Fórmula 1 » Nascarizaram a F-1

Nascarizaram a F-1

A Nascar é um sucesso nos EUA porque eles só tem uma questão a ser considerada: O que o povo quer para nos dar ibope, logo, dinheiro? Com essa resposta focam o esporte e faturam alto.

O que eles querem? Acidente! E é isso a chamada da Nascar na TV.

O que eles querem? Competitividade? Então colocamos 80 carros onde cabem 15 e jamais um se distanciará muito do outro. Haverá sempre disputa.

O que mais? Emoção e surpresa. Por isso, uma bandeira amarela ou um pit stop errado colocam o líder em último, e o povo adora não saber nunca quem ganhará a corrida.

Formula do sucesso, não necessariamente do esporte em si.

Imagine você se a CBF resolve mudar o campeonato Brasileiro todo ano, limitando coisas, alterando outras e ignorando quem se planejou para tirar do SPFC a sequencia e dar graça ao campeonato?

Fariam, portanto, uma regra que, a partir de agora, não pode ter mais de 20 no elenco, por exemplo. O que prejudicaria o maior trunfo do SPFC, que é o planejamento e a reposição num campeonato longo.

Seria justo? É uma forma “honesta” de equilibrar e chamar atenção do publico?

Pois bem, acredito que todos concordam não ser o melhor caminho.

E o que faz a F-1? Exatamente isso.

Ela muda suas regras todo ano para tentar equilibrar na marra. Como não dá pra fazer equipes crescerem, ela reduz a qualidade das maiores, tentando equilibrar, repito, na marra.

É como se a Ferrari estivesse a nivel 80, a McLaren 70, e as outras nível 30. A FIA simplesmente, ao invés de pensar formas de outras equipes buscarem os méritos que estas citadas levaram anos para conquistar, limita a capacidade da categoria a 50. Pronto, está tudo equilibrado. Ou melhor, nivelado por baixo.

Ganha emoção, tem lá sua dose de “aumento na competencia do piloto”, etc. Óbvio, é mais gostoso de assistir. Até porque, sem o Schumacher fica melhor mesmo.

Mas é correto isso?

Será que a gente quer ver outro ganhar ou na verdade queriamos ver alguem derrotar o Schumacher? Queremos ultrapassagens porque o regulamento permite ou porque dois pilotos de alto nivel estão se pegando na pista? É de verdade a disputa que queremos.

Coloque-se no lugar da Ferrari, por exemplo. Você fez um trabalho de 10 anos visando chegar onde chegou. Se planeja, investe, é a maior. Um dia a FIA cansa de te ver ganhar e muda o regulamento a um ponto que a última do grid vira primeiro, e tudo que voce se estruturou foi pro saco, graças ao ibope.

Aí mudam corrida na Malasia pras 17h, pra agradar torcedor na Europa. E o que acontece? Chove e ela não acaba.

Tá certo isso? É mesmo o melhor caminho de um esporte buscar o equilibrio através da limitação?

É mais legal um Brasileirão com 5 mediocres brigando pelo titulo ou com 2 belissimos times ali na frente dando um show? É melhor o de 5, eu sei. Mas é mais “justo”  que isso parta de uma mudança de regra?

Porque a F-1, exemplo de organização até outro dia, privilegia equipes que vendem vagas a pilotos sem grande talento?

Veja bem, que fique claro. Não sou contra a mudança em si, acho até ela bem razoável. Mas tem que ser aos poucos. Você muda, muda, e as coisas vão equilibrando. Quando você muda e o último vira primeiro… tem alguma coisa radical demais nessa mudança.  “Ah, a Ferrari que errou!”. Tá, e a McLAren também? E a pior equipe, falida, virou lider com folga? Tudo isso foi coincidencia? Claro que não foi…

O que é mais importante? O esporte em sí ou o ibope que ele pode dar momentaneamente?

Para se pensar…  

abs,
RicaPerrone