Home » Futebol » Clubes » Flamengo » Fumaça, fogo e mentira!

Fumaça, fogo e mentira!

A fumaça é enorme e talvez não dê pra enxergar o fogo. Mas ele está ali, plantado pelas mesmas pessoas que amanhã pedirão “paz” e chamarão os bombeiros.

A crise no Flamengo é real. A conversa de demitir o Luxemburgo existe e, se vazou, não foi invenção da mídia.  Plantaram isso desde a semana passada e não é mentira.  Parte da diretoria do clube quer tirar o técnico e a Patrícia estaria, sim, bem disposta a reavaliar sua situação.

Se hoje ela disse ou não ao elenco que ele “já era”, não sei. Mas a fumacinha não é invenção de ninguém, a não ser do próprio clube.

Eu não estou nem aí pro Luxa cair hoje ou segunda-feira. Ele não tem clima lá desde dezembro e é bom que saia, aliás, é bom que suma da mídia por uns 6 meses e vá descansar. Ninguém no mundo consegue render em alto nível estando no olho do furacão há exatos 19 anos.  É cansativo, desgasta, influencia, faz mal.

Disse isso quando ele saiu do Galo, mas… logo veio o Flamengo. Disse em dezembro que ele devia sair. Ele ficou.

E agora, passado 1 mês da avaliação positiva do ano de 2011 feita pela diretoria, ele passa a “não prestar mais”.

Pra torcida nunca vai prestar pois é o técnico que mais afronta a mídia sem bater, logo, ela o odeia. E quando a mídia odeia alguém a torcida odeia também. É inevitável.

Eu não sei o que você, rubro-negro, está pensando neste momento. Talvez você queira comemorar e nada mais. Talvez esteja preocupado com a queda no segundo tempo, talvez tenha sido apenas mais um jogo.

Pra mim não foi. E gostaria muito que alguns torcedores do clube onde a torcida tem mais influência no país também prestassem atenção ao que de fato aconteceu hoje.

O centroavante que meteu o clube na justiça, com toda razão mas num momento inoportuno, correu.  O Leo Moura, ex-capitão que passou 2011 jogando 10% do que sabe, jogou tudo que sabe.  O time mostrou defeitos, mas correu. O time jogou menos do que pode, mas se cobrou.

E o craque, capitão, líder do time, também sem receber ainda, jogou uma barbaridade, correu, gritou, cobrou e, enfim, liderou.

Você tem alguma explicação tática ou técnica para o mesmíssimo time, com a mesmíssima formação tenha recuado no segundo tempo ANTES do técnico mexer? Pensa bem, pois se passar pela sua cabeça que surgiu um grito de: “Voltaaaa! Vamos tomar sufoco!” você tá variando.

Quem era aquele camisa 10 ali na esquerda? De onde veio aquele cara?  Parente do Ronaldinho, aquele ex-jogador que anda em campo e não consegue reagir a nada?

Porque o time correu tanto hoje? Porque o craque resolveu aparecer?

Quer dizer então que o recado é simples: “Jogo quando quero”.

E sim, é isso. Sempre foi.

E você, torcedor? Vai ao estádio tomar chuva e pagar ingresso pra procurar defeitos táticos e técnicos no time que tem como capitão um sujeito que joga quando tá afim?

Comemorou hoje? Gritou o nome dele?

Fez dele um Rei, de novo?

Vai ser assim quando, insatisfeitinho com o café da manhã do clube, ele resolver encostar no pau da bandeirinha e não sair dali 90 minutos, te deixando louco na arquibancada?

Ou será que a frase: “O Joel é foda. Mete muito volante e a bola não chega no R10” me parece bem previsível?

Quer caçar bruxar, faça! Mas faça direito.

O Flamengo passou, a crise diminuiu, a imprensa será “vilã” se os rumos mudarem e você, torcedor, vai engolir de novo.

Mas tente, desta vez, engolir o que te contam e também o que você mesmo viu.

Ou viva sempre analisando o que você “quis ver”.

Ronaldinho, hoje, o melhor em campo. E também hoje, o pior, disparado.

abs,
RicaPerrone