Home » Futebol » Felipão solta o verbo

Felipão solta o verbo

torcidaFelipão deu uma entrevista fantástica ao Renato Mauricio Prado, jornalista que nào tive o prazer ainda de conhecer pessoalmente, mas respeito e gosto muito. Nela, falou sobre tudo. Até Luxemburgo.

E neste papo muita coisa babaca que jornalista fica polemizando ficou clara, e talvez seja bom pra as pessoas pensarem antes de julgarem certas situações.

‘Briguinha’ entre os dois na Copa de 2002

– Um queria sempre fazer mais gols do que o outro. Por isso, muitas vezes não passavam a bola, mesmo quando esta era a melhor opção para o time. Um dia, perdi a paciência, chamei os dois, tranquei no vestiário e disse: “Ou vocês acabam de vez com essa frescura, ou vai jogar um só. E eu ainda não decidi quem será”. Falei e fui me embora. Deixei os dois trancados lá. Aí o Rivaldo virou-se para o Ronaldo e disse: “Olha, é melhor a gente se ajeitar mesmo. Esse cara é maluco e é capaz mesmo de barrar um de nós dois”. E acabou de vez aquela bobajada.

Veja como são as coisas. Não necessariamente uma laranja podre acaba com um grupo. As vezes o que falta é o técnico ter pulso pra ir lá e bancar a decisão dele, afastando o cara. Jogador sozinho nào deita e rola não. Só faz isso quando é grupinho. Briguinha individual TEM QUE TER INTERVENÇÃO DO COMANDANTE sim!

Fenômeno no Corinthians

– Ronaldo é fora de série. Mesmo estando uns sete ou oito quilos acima do peso com que jogou a Copa de 2002, ele ainda faz a diferença na hora da verdade. Os gols que marcou na final do Paulista foram típicos de um extra-classe. E, no primeiro jogo das finais da Copa do Brasil, contra o Inter, fez a mesma coisa. Se ele perder uns quatro quilos, nem tem o que discutir. Tem que ser convocado e jogar a Copa. Ele é o tipo de cara que só de olhar, o adversário já treme.

Concordo em genero, numero e grau. Ronaldo, em forma, é o 9 do Brasil e não tem discussão. É o melhor na posição dele disparado de qualquer outro.

Romário

– O presidente Ricardo Teixeira nunca me pediu para convocar o Romário. Disse: “A decisão é sua. O que você decidir, está decido. Vou te apoiar, mas se você perder a Copa, vai ter que explicar para a torcida”. E eu banquei a não convocação. Depois dessa conversa, teve um momento que eu cheguei a balançar. Foi quando ele foi para a TV chorar de dizer que queria disputar o último Mundial. Eu já estava emocionado e quase voltando atrás, quando entrou em cena o Eurico Mirando falando um monte de barbaridades, me xingando disso e daquilo e fazendo ameaças. Aí percebi que era tudo um circo armado para me pressionar e desisti, definitivamente, de levar o Romário.

Puta que pariu, Eurico!!! Olha o que voce fez! hahahaha

Planos para o futuro

– Vou voltar dentro de um ano e meio. Aí trabalho mais uns dois como técnico e chega! Mudo de função ou me aposento. Chega de discutir com bandeirinha à beira do campo. O Palmeiras queria que eu assinasse um pré-contrato para quando eu voltar. Agradeci, mas não aceitei. Quando voltar, quero estar livre para decidir o que for melhor na ocasião. Houve um dirigente do São Paulo que ligou para o meu empresário querendo o meu telefone.

Opa! O Perrone não tava maluco quando disse que o SPFC podia SIM correr atrás dele. E está disponivel. Quando diz que está pronto pra voltar DENTRO de 1 ano e meio, significa que um bom projeto o trás de volta. É só oferecer.

Vanderlei Luxemburgo

– Técnica e taticamente, o Vanderlei é o melhor. Mas costuma misturar muito as coisas dentro de fora de campo. Eu não consigo engolir essa de história de treinador querer ganhar comissão em cima de atletas que ele revelou ou indicou e que depois foram vendidos. Dá margem a milhares de insinuações. Nunca fiz, nem faria. Se ele se concentrasse no que é melhor, teria ainda mais sucesso. Mas essa é apenas a minha opinião. Ele é maior de idade, bem-sucedido, faz o que quiser.

Essa parte eu adorei. Pelo seguinte: O que o Felipão falou é sobre uma prática comum no futebol que ele particularmente não gosta. Mas, não é algo ilegal, como alguns insinuam. Muitos clubes, ao longo dos anos, fecham com treinadores e lhe pedem que revelem jogadores pra ajudar no caixa. E por isso oferecem 5% nas vendas. Outro dia um time de SP deu 5% do elenco todo pra um treinador ficar lá. Não é algo incomum ou ilegal. É uma prática de alguns clubes e treinadores, que voce pode gostar ou não.

A diferença do Luxemburgo é que ele não esconde muito essa idéia de manager, de querer fazer parte da administração, enquanto muitos outros (com fama de bonzinhos inclusive) levam o deles em vendas sem abrir o bico.

Existem coisas no futebol que quem ve de fora considera absurdo, mas são comuns. Ser gato, na década de 70, era pra lá de normal. Depois ficou menos comum. Até outro dia era comum treinador receber % na venda de jovens relevados por eles. Alguns ainda pedem isso, outros não.

É comum um clube enviar uma proposta de X milhões por um jogador e um cheque de 50 mil reais pra cada dirigente que escolhe entre sua venda ou não. É comum, infelizmente, que alguns peguem esse cheque e depositem.

É muito comum no futebol, como em qualquer empresa, os dirigentes de clube pedirem uma grana extra por fora para aprovarem o projeto dentro do clube. Afinal, tem que ser muito puro pra achar que estes altos executivos em suas empresas abrem mão de tudo pra ir lá trabalhar por amor ao time 24h por dia. É óbvio que muitos deles ganham alto com isso. Mais alto do que ganhavam lá na empresa deles, diga-se.

É comum alguem assumir um departamento de um clube porque levou um patrocinador pra la. É comum os filhos dos dirigentes assumirem cargos nos clubes. É comum diretores aparecerem na mídia em troca de serem laranjas dos presidentes. Eles aparecem, se expoem, e alguem la atras cuida do que interessa.

É comum na base haver um esquema entre empresarios e treinadores, para que só os dele subam. E assim ele leva %. Ou você acha que  a safra de cabeça de bagre vem de onde?

É tudo muito normal. Certo, errado, é outro papo. Mas funciona assim.

Como ja disse, não vivo do jornalismo. Sou empresario. Ja negociei com clube de futebol e são raros os que não me deparei com pedidos estranhos de “ajudinha extra”, ou insinuações semelhantes. Claro, comigo pisam em ovos, porque eu sou jornalista também. Mas tenho ligação com empresas que já pagaram mais pro dirigente do que pro clube numa transação. E até hoje não fechei nada diretamente com um deles por isso. Fica ruim pra mim fazer isso, afinal, vivo no meio. Quando fechar algo com um clube indireta ou diretamente, eu largo o jornalismo no mesmo dia, questão de ética.

Eu nào fico aqui dizendo é esse, é aquele porque, como sempre digo, acho bobagem pixar a imagem de determinado dirigente, treinador ou clube sem provas. Mas tem, todo mundo sabe que tem.

Toda empresa amadora vive assim. Se trabalha “na hora que da”, e as coisas não passam todas pelo caminho natural. Todo clube tem um dirigente bandido. As vezes pegam, as vezes não. As vezes vaza, as vezes fica só internamente. Mas, sempre tem. Como em qualquer empresa.

Filho da puta é uma raça mais comum do que pobre nesse país. Alias, pra estes, a diferença entre ser pobre e rico é exatamente ser filho da puta. Os chamo de incompetentes, porque não conseguem por meios legais, então apelam.

Por isso eu sempre digo:  Quer amar seu time pra sempre? Fique longe dele. Ao se aproximar, é igual mulher bonita. Voce olha, baba, deseja. Conhece, se apaixona. Quando vai conhecendo de perto vê que ela arrota, tem gases, dor de cabeça, calo, defeitos, etc. E em alguns anos você a ama, admira, respeita, mas… nào supervaloriza mais.

É igual.

Futebol é a melhor coisa do mundo pra se amar de longe.

De perto cheira mal. Muito mal.

E ainda há quem pergunte: Porque um clube de futebol, marca internacional, que cuida de milhões por ano, nao é profissional, com diretores remunerados, etc? Voce tem duvida do porque? Qual interesse deles em deixar as coisas as claras?

Como podemos aceitar que no Brasil o arbitro de futebol, sujeito que determina a sequencia de um planejamento de milhões de reais de uma agremiação são bancarios, padeiros, engenheiros? Não tem salario. Não treinam, não são profissionais.

Porque será que ninguem faz um esforço pra mudar isso por aqui?

Natural a resposta.

abs,
RicaPerrone