Home » Futebol » Ética?

Ética?

Ética, no futebol, é uma palavra que quem não usa é mau caráter e quem usa é hipocrita. E assim sendo, com justiça ou não, é mais fácil optar por pagar o preço de não ter ética ou se criar se passando pelo “último ético do mundo”.

As escolhas são claras, é só olhar em volta e você logo nota o “tipinho” escolhido de cada profissional do meio. O SPFC, em questão, nunca foi ético com ninguém desde que essa diretoria assumiu. Ele optou por isso e paga por isso. É escolha.

Seria ridículo ele vir na TV lamentar que os outros clubes não lhe facilitam reforços após ter tirado diversos na justiça, assim como ninguém no Tricolor tem um pingo de moral pra reclamar do Inter ter levado o Oscar.

Assim sendo, é apenas uma escolha. Eu farei, mas pagarei por isso. E não é errado, criminoso, é apenas uma escolha.

É ético ligar pro Cuca no Cruzeiro? Não sei. Mas e quem não faz? Será que os que ligam primeiro pro Cruzeiro tem um cenário competitivo nos bastidores ou se torna apenas um “bobinho” no meio dos “malandros”?

O São Paulo coleciona inimigos pela sua diretoria atual, que se acha melhor que todo mundo. Não são, e o tempo mostrará isso. Mas, enquanto eles pensam assim, vão arrumando briga e criando rótulos.

Quando moleque eu era expulso de tudo que era colégio, e meu pai dizia: “Se você brigar com um diretor, pode ser culpa dele. Dois, pode ser azar. Quando você tem problema com todos os professores, coleguinhas e diretores, a culpa é fatalmente sua”.

O Tricolor optou. Ele acha que é “soberano” e que por isso não precisa de ninguém. Então racha com CBF, Clube dos 13, FPF, Flamengo, Inter, Corinthians, Palmeiras, Cruzeiro, Galo, Lusa, etc, etc etc…

Se ele acha que é bom pra ele, que faça.

Ligar pro Carpeggiani não é tão anti-ético quanto pro Cuca.  Quando você liga pro Cuca está convidando um profissional pra sair de um gigante e se manter num grande cargo. Quando liga pro Carpeggiani a oferta é pra sair de um time médio e ir pra um gigante. São coisas diferentes.

O Joel recusou o Flamengo porque estava em outro grande. Se estivesse no Olaria não teria recusado.

O Muricy não foi pra seleção porque o Flu não deixou e não porque ele “não quis ir”. É diferente. E eu teria ido em seu lugar.

O treinador tomou a decisão que todos tomariam. Há um mar entre SPFC e CAP, que fica chato falar, magoa pessoas, mas é fato e eu não me importo.

A diretoria do Tricolor pode ter respeito com muitos clubes, mas o CAP é um inimigo declarado e não ligariam lá pra pedir autorização. Até porque, meus amigos, isso não existe!

Quando você quer um profissional de outra empresa você fala com o cara e não com a empresa.

Se o CAP quer tanto uma “ligação do SPFC”, então que liguem!

Digam: “Alô, é do CAP? Então, levei seu treinador.” E eles fatalmente farão o que sempre fazem: Deixarão o estádio cheio quando o SPFC for até lá, farão pressão, ameaçarão pessoas nos vestiários e tentarão se vingar fora do campo na base da intimidação.

É assim que o CAP age, como é de forma nada “amistosa” que o SP age nos bastidores do futebol.

Cada um que fique com as consequencias do que faz. O SPFC sem amigos, o CAP sendo um mero coadjuvante do futebol brasileiro.

abs,
RicaPerrone