Home » + Chamada » Esse cara não sou eu

Esse cara não sou eu

A gente passa longe de ser o que temos por ideal de ser humano. No facebook, talvez. Mas na vida real, não somos o poço de razão, educação, sabedoria e gentileza que gostaríamos. Menos ainda os seres evoluídos livres de vingança, rancor e ódio.

Eu tenho minhas dificuldades.  Não lido bem com certas situações, sou um cara rancoroso, se alguém me agride eu não quero perdoa-lo mas sim matá-lo. Não se choque, sou só um cara conhecido sendo ele mesmo na internet. Eu sei que é terrível, mas sim, eu sou vingativo, tenho defeitos, pego raiva de pessoas e sou egoista as vezes.  Quase sempre, até.

Enfim.

Eu fico constrangido quando vejo Marcio Araújo.

Porque ele não joga muita coisa, de fato. Mas sabe sua limitação, aceita, se coloca com humildade em uma condição que pode render e ouvir calado que és um merda todo santo dia pos anos e anos. E não responde, não surta, não odeia o clube. Eu já teria ido pro Vasco, feito um gol e mandado uma pica pra torcida do Flamengo. Porque?

Porque eu sou assim. Um ser humano pior que o Márcio Araujo, com certeza.

Mas ele não. Ele ficou ali, apanhou, treinou, apanhou, treinou, voltou, saiu, voltou, achou espaço quando rotulado como carta fora do baralho e…  é campeão, titular, um dos melhores em campo.

Fundamental.

O cara que equilibrou o Flamengo. Que deu suporte a zaga e liberdade aos volantes pra ajudar o Diego. Que atende o que lhe pedem, que calado se faz mito e que nunca precisou responder alguém para vencer a discussão.

Caralho, eu queria ser o Márcio Araújo no twitter. Eu estaria rico. Mas não. Porque ele é melhor do que eu.

Do que o Cuellar, talvez do que alguns outros consagrados, e por isso ele é titular do Flamengo. Amanhã ele vai ser adiantado, errar passes, sair da função quase acéfala que lhe cabe taticamente, mas ele vai continuar calado, sem ressentimento, treinando e buscando o seu lugar ao sol.

Eu sei que isso é do Diego, as vezes do Guerrero. Mas hoje, empresta pra ele, vai?

Que homão da porra!

abs,
RicaPerrone