Home » Futebol » Clubes » São Paulo » Erros e mais erros

Erros e mais erros

breno

O que pretendia o São Paulo anunciando um presidiário em seu elenco, cadastrando-o no BID da CBF e dando condição de jogo? Mídia? De fato ajudar? Marketing? Imagem de bom clube? Ou um zagueiro promissor?

Vai da má fé de quem avalia. Pra mim, apenas um equivoco desnecessário anunciar e registrar antes de saber se o liberariam. Agora, como no caso Bruno, sempre que possível alguém dirá que tem um jogador do SPFC preso. E tem, por escolha do clube, diga-se.

Foda-se. Não faz diferença o que as pessoas dizem em redes sociais.

Diferença faz a idéia de que punição é cadeia. Outra burrice sem tamanho.

Um deputado rouba, é pego, vai preso. Quem sustenta esse cara pro resto da vida? Eu e você.  Além disso, a família dele ganha uma “ajuda” do governo.  O que ele aprende na cadeia? Nada. Que tipo de “perigo a sociedade” ele sugere para que esteja dentro de uma jaula? Nenhum.

Breno é outro caso semelhante. Não se trata de alguém que ameace pessoas. Ele cometeu um erro, tem que pagar, mas ficar preso não é exatamente uma compensação.

Jaula é pra quem precisa ser contido. Pessoas que cometem crimes nem sempre precisam ser contidas. Todas precisam pagar, mas as vezes a idéia de “impunidade” é deturpada pela mídia.

Se Breno jogasse futebol, doasse 20% do seu salário até o fim da carreira para ajudar algum hospital infantil de cancer e ainda fosse obrigado a prestar serviços a comunidade por, sei lá, 10 anos, estaria sendo punido, ajudando de fato, pagando pelo que fez e crescendo como pessoa.

Na cadeia, pagamos nós, ele fica deprimido e se acaba, não gera nada, deixa uma família sem condições aqui fora e não é uma ameaça a sociedade.

Você vai dizer que o fogo que ele colocou na casa poderia ter atingido pessoas. Sim, é claro que sim! Mas há uma diferença brutal entre um cachorro que um dia se descontrolou e mordeu alguém na rua e aquele que morde um por dia. O primeiro não precisa de jaula, apenas coleira. O segundo, talvez.

Breno é um condenado a dar exemplo, não a cumprir pena. Está na cadeia pros outros verem, pois se o assunto fosse pagar pelo que fez, pagaria de outra forma.

Nessa hipocrisia de fingir que pune, fingirmos que estamos “vingados”, segue o jogo.

Sem Breno, preso, não podendo corrigir o erro já tendo um emprego, um lugar pra morar e ajuda psicologica esperando por ele.

Mas não queremos que ele melhore como ser humano. Queremos vê-lo se foder, pois é assim que nos ensinaram a entender “justiça”.

Dirão que “é a lei”. E leis são regras a serem cumpridas.

Regras são, na verdade, a prevenção para a falta de bom senso.

Bom senso mudaria o mundo, regras não.

abs,
RicaPerrone