Home » Campeões de audiência » Ela não presta

Ela não presta

Marcelo era um garoto comum. Sonhador, estudante, trabalhador e cheio de vida. Um dia encontrou seu amigo Pedro, que estava ao lado de duas belas mulheres e os apresentou.

– Marcelo, esta é a Adriana. Adriana, este é o Marcelo.

E trocando olhares, fazendo daquele minuto um julgamento definitivo de tudo que precisava saber para se declarar apaixonado, Marcelo decidiu que queria passar a vida com aquela moça.

Precipitado, quase idiota. Mas perfeitamente normal, pois assim surgem 99% das mais belas paixões já contadas.

Marcelo então passa a procurar Pedro para que, através dele, possa rever sua amada. E consegue.

Pedro combina pizza, chopp, os aproxima. Marcelo se apaixona de vez. Ela sempre linda, cheirosa, arrumada. Ele, bobo, só olha e diz “amém”.

Até que um dia, pronto para vê-la, a caminho, Pedro diz a Marcelo que Adriana tem um passado não tão bom. Marcelo releva, não se importa. Se diz moderno pra aceitar.

Na volta de mais um chopp, Pedro dá indiretas para insinuar ao amigo que Adriana tem mau hálito. Ele, que ainda não a beijou, ouve pensativo.

Na mesma semana o amigo passa a tratá-lo um pouco diferente. Distante, quase num ar superior. Marcelo se pergunta se é “ciúmes”, mas não. Não tem porque se o próprio Pedro tanto a desmerece.

E os dias passam, Marcelo consegue apenas conhece-la, mas é intocável. Distante, quase impossível pra ele.

E então, a admiração aumenta Cria-se um mito. E desde mito, uma doentia relação de paixão e ódio que sustenta aquela relação platônica.

Adriana não o ignora. Nem dá trela. O cativa, joga o cabelo, mas passa reto.

Pedro então envia um e-mail para Marcelo e diz que na verdade não queria relatar, mas a moça é de família ruim. E seu trabalho não é lá dos mais honestos.

Marcelo custa a crer. E não crê. Não porque não quer, mas porque não pode. O que construiu em sua mente é forte demais para se destruir em palavras, boatos, insinuações.

Pedro insiste. Mostra fotos, comprova que a moça além de tudo é alcoólatra. Sim, bebe na madrugada e cai na rua. E então, ele chora.

Mas se motiva a recuperá-la desta vida. E uma nova obsessão o possui e aumenta ainda mais aquela paixão platônica.

Insistente, quase cruel, Pedro faz um levantamento de sua vida e apresenta ao amigo. Lá está sua infância, seus podres, defeitos, amizades ruins e até mesmo doenças que já teve.

Marcelo luta, mas lê o “dossiê” do “amigo”. E ao final, surpreendendo novamente, ignora tudo que de ruim acaba de ler e diz: “Ela já passou por tudo isso! Merece ser feliz. Eu vou fazê-la feliz!”.

Pedro quase desiste. Mas seu recal que em não ter tido Adriana o atormenta demais. E inconscientemente, faz uma fama ruim da moça por toda cidade.

Marcelo se afasta. Adriana se prostitui porque não encontrou ninguém que a amava de verdade. Enquanto Pedro, diante da moça sentada na sarjeta segurando uma bolsinha e ofertando o corpo a míseros 100 reais, diz ao amigo: “Eu avisei”.

Marcelo acredita. Tolo, agradece ao “amigo” e se afasta. Pedro se aproxima de Adriana, oferece apenas 80 reais, e finalmente dorme com ela.

Pedro é jornalista esportivo. Marcelo, torcedor. Adriana caiu pra série B.

abs,
RicaPerrone