Home » Futebol » Campeonatos » Copa Confederações » É brilhante

É brilhante

Não, não. Eu não estou ficando maluco.  Não passei a achar os espanhois tudo isso e óbvio que também não acho o que digo sacaneando no twitter. Mas de curiosidade assisti os últimos 5 jogos da Espanha que tive oportunidade. E não vi nada muito parecido com os diagnósticos que ouço por ai.

Não vi nenhum “Zidane” tecnicamente, nenhum “Neymar”, nenhum craque de habilidade extra-terrestre.  Poucos dribles, raros lançamentos e segredos pouco elaborados, mas que pedem mais do que “saber jogar bola”.

Nenhum desses caras joga o que aqui no Brasil chamaríamos de craque aos 18 anos. Eles reuniram jogadores inteligentes dispostos a entender o jogo e não exatamente a tentar desequilibra-lo.

No futebol moderno, aquela coisa rápida e física de dar nos nervos, isso destoa pela simplicidade.

A Espanha toca curto. Não tem um puta passe de 45 metros de 3 dedos.  Não sou baba ovo de achar que isso foi mera descoberta e não uma solução para a falta de qualidade.

Acho que notando que no individualismo que as seleções invariavelmente usam pela falta de treino, se sairiam melhor se tivesse um jogo mais coletivo e simples.

A bola é deles. E tocando curto, não pedem nenhum jogador de habilidade extrema e não devolvem a bola o tempo todo, o que não obriga o time a ficar se cansando voltando pra segurar contra-ataque.

Não trocam de posição o tempo todo. Aquela idéia que temos de que “o time se movimenta” e funciona é mentira. Eles ficam onde tem que ficar se movimentam próximos as suas posições.

Não  é verdade que o Iniesta vire ponta direita e confunda a marcação. Ele apenas toca e não pára. Dá uma corridinha pra um dos lados.

É um time inteligente, que vive do jogo pensado e não do potencial com os pés exatamente.

Não disse que são ruins, pelo amor de Deus. Mas não tem nada ali que você consiga colocar na lista de jogadores mais “incríveis” do mundo. Os “craques” deles são práticos, não o tempo todo brilhantes.

É um conceito diferente, que nao podemos seguir por uma questão social e cultural. Nossos craques não são exatamente “inteligentes”, até pela formação deles. Os deles, muito menos habilidosos, são muito mais “preparados” por uma questão social.

É brilhante.  Muda-se a forma de jogar e não tenta combater o que obviamente é superior a você.

Demorei pra entender a Espanha. E só quando parei de ouvir mil teorias táticas e técnicas sobre o time consegui encontrar uma explicação do porque esse time funciona.

Eles não jogam mais do que ninguém. Pensam mais do que todos.

abs,
RicaPerrone