Home » Futebol » Clubes » Fluminense » E a “culpa” é do…?

E a “culpa” é do…?

Fim de mais uma zebra no Brasileirão. O “quase rebaixado” América MG virando “quase Barcelona’ conquista sua segunda vitória impossível. Méritos dele, é claro, com razoável ajuda dos adversários, que morrem de medo de perder, e perdem.

A diferença entre o Flu e o Corinthians foi quase nenhuma. Nem ousem em falar de Abel, eu me recuso a ouvir. Time que erra passe de 2 metros não tem que reclamar de tática.

O Flu viveu um dia de cobrança e, talvez por isso, não aguentou. Ganhou do Inter porque todos achavam que ia perder e, diante dos seus, com tarefa das mais fáceis, não fez.

O futebol brasileiro tem se caracterizado por isso. A falta de personalidade dos jogadores e o medo de perder jogos onde são favoritos é assustador. A seleção só reflete isso, diga-se.

Araújo, experiente, teve uma atuação de assustar. Parecia uma criança de 12 anos jogando entre profissionais de 30. Ele não dominou uma bola enquanto esteve em campo.

Dirão que “sem o Deco..”, nem começa! Prejudica? Prejudica!

Mas dizer que os passes errados e a postura de panico do Flu foi falta do Deco é sacanagem. Com ele ou sem, o Diguinho não acertaria os lançamentos que deu pensando ser o Gérson, o Araújo não deixaria de ter a atuação que teve e outros tantos não se esconderiam do jogo como fizeram.

Não acho, também, nada justo descer a porrada no time por este jogo. Assim como hoje era “jogo ganho” e perdeu, domingo passado era “jogo perdido” e ganhou.

Mas é pra vaiar sim.

Tanto estavam com medo da responsabilidade que quando tomaram 2×0 e fizeram o gol foram pra cima e pararam de errar passes bobos. Porque?

Porque é mais fácil ser o “impossível” do que ser “obrigatório”.

O Fluzão não é o time do “impossível”?

Então. Hoje, foi de novo.

Perder pro América a 2 pontos do líder, em casa, faltando 4 rodadas com estádio lotado…. Era quase impossível.

O bom é que agora o “quase impossível” ficou sendo o título.

Quem sabe?

abs,
RicaPerrone