Home » Futebol » Clubes » Corinthians » Calem-se!

Calem-se!

Acho sagrado o direito de torcedor xingar um jogador durante um jogo de futebol. Não é pessoal, é apenas uma forma de tentar interferir na partida, portanto, legítimo. Tão sagrado quanto apenas o direito ao “cala boca” coletivo do jogador quando faz o gol.

Pato saiu fazendo um sinal que marcou e acompanhou os mais polêmicos gênios do nosso futebol e não é por ser atual que neste caso acharei errado o que sempre achei engraçado.  Errado é teimar em querer criar novos hábitos ao futebol toda semana.

Mandou o estádio se calar, e com razão. Tanta que até obedeceram.

O arbitro tinha tudo para se complicar. Com 5 minutos não deu uma falta e o São Paulo fez o gol.  Em seguida, duas pancadas do Luis Fabiano e nada de cartão. Começou o festival de entradas fortes e, coerente, deixou todas elas até o fim.

No fim, quando colocado entre a cruz e a espada, correu das duas com enorme categoria. Foi pênalti.

A intenção só cabe pra determinar isso em mão na bola, não em faltas de jogo. Se eu cair e rolando derrubar alguém que vai fazer o gol é pênalti. Não importa como, mas sim o que causei.

Rogério atinge o Pato, que desvia a bola antes dele.  A regra indica que Rogério deveria ser expulso, inclusive. Mas o arbitro foi mais uma vez surpreendentemente inteligente para enxergar o lance como uma infração sem intenção, não como um ato para tentar interromper um lance de gol. E portanto, deu só amarelo.

Eu o critiquei com 10 minutos de jogo, tive que me calar aos 90.

E o Corinthians, que entra em campo com a mesma segurança e postura contra o Chelsea, São Paulo ou Itaperuna, jogou o tempo todo com cara de quem sabia o que estava fazendo.

E estava.

O Tricolor, muito mais afim de rachar bolas pelo campo, não sabia o que fazer com ela e logo a devolvia.  A bola era sempre dividida com vontade por alguém de branco e segundos depois aparecia no chão, com alguém de preto.

Chato. O Corinthians é um time chato.  Parece fazer o que quer, quando quer, sem medo de não conseguir.

Inseguro, o São Paulo busca a mesma coisa, mas sem nenhuma convicção do que está fazendo.

Talvez por isso o placar, o silêncio proibido sugerido por Pato e o fim de mais uma tentativa frustrada de espantar a dúvida do Morumbi e causar alguma no Parque São Jorge.

abs
RicaPerrone