Home » Futebol » Clubes » Santos » Bateu, levou!

Bateu, levou!

Neymar e seus dribles desconsertantes são, de novo, a pauta da semana. Não satisfeitos em contestar seu potencial e toda vez que alguém o elogia vem um idiota falar em “Messi é melhor”, agora resolveram debater o que ele pode fazer com os pés dentro de campo.

Chapéu, que pra Mané era lindo, pra Neymar é falta de respeito. Mesma reação das tais cotoveladas de Pelé, maravilhosas, e as absurdas de outros tantos da atual geração. Falta critério, boa vontade.

É um direito do beque enfiar o pé no Neymar, e todo jogo algum deles o exerce. Direito do Neymar devolver com outro pontapé ou com um drible humilhante. Se não passar pelo beque, sofrerá falta e pode tirar um adversário do jogo.  De alguma forma, será produtivo.

Neymar humilhou o jogador do Botafogo (SP) porque ele estava em sua frente. Se deixasse passar, não tomaria o olé. E se está ali pra não deixar, que o faça. Se não sabe fazer, conviva com a derrota.

Toda vez que Neymar dá um drible desses ele sabe que está sugerindo sua categoria e também um pontapé.  As vezes leva os aplausos, outras o pontapé.  Nunca serei tolo de condenar o atacante por levar uma entrada forte após dar um drible desses na linha lateral.

Sim, é claro que Neymar quis dar uma humilhada no adversário. E é direito dele, afinal, tomou pontapés o jogo todo. Alguns respondem com o cotovelo, outros chorando para reporteres, outros dando um baile.

Só que o baile é só pra alguns. O choro e o cotovelo, pra qualquer um.

Convenhamos, Neymar não é qualquer um.

Se eu fosse zagueiro, me sentiria humilhado com seus dribles SIM. E provavelmente lhe daria um pontapé no meio da canela.

E dai? Eu seria expulso, ele aplaudido.

Porque é assim a vida. Os brilhantes irritam, os medíocres tentam menosprezá-lo.

É direito dele driblar. Do zagueiro reagir.

E do futebol pagar 1 milhão a quem dribla, 10 mil a quem bate.  Eternizar o olé, esquecer o pontapé.

abs,

RicaPerrone