Home » Futebol » Aí não, capitão!

Aí não, capitão!

Criticar o Rogério é um habito nos não tricolores e um crime sem tamanho entre eles. Mas, assim como merece todos os elogios do mundo quase todo dia, as vezes merece um puxão de orelha.

Me dou muito bem com ele, gosto muito dele, fiz entrevistas fantásticas com ele. O considero o segundo maior jogador da história do SPFC, um dos maiores do mundo em todos os tempos, inclusive. Mas, por paixão, as vezes passa do ponto.

O capitão é aquele cara que representa o sãopaulino. Ele acha que tem que ser campeão todo ano, não aceita perder, torce desesperadamente e ama o clube acima de tudo. É um torcedor doente com a camisa de goleiro, o que faz dele um ídolo ainda maior.

As vezes isso atrapalha, no entanto. E no calor de defender o seu, acaba cometendo um erro ou outro.

Considero três bobagens na carreira do Ceni. Aquela na seleção, quando não assumiu a falha, aquela da Copa do Brasil, dizendo que “não se via jogando la”, e a de ontem.

Tem outras menores, que é natural, pois ninguém aprova 100% de ninguém. Mas ontem ele errou.

Eu nem sabia o que tinha acontecido. Meus colegas me contaram hoje.

Rogério olhou pro time, que aquecia atrás do gol, e disse na cara dos reporteres: “Cleber, avisa o Baresi que voce vai entrar”. E assim foi feito.

Se ele manda no time, tudo bem. Mérito dele, é capitão, problema interno deles. Mas na cara da imprensa, achei pesado. Não por ele mandar, pois é problema deles isso. Mas pelo “desmerecimento publico” ao Baresi, que  se aceitou a mudança mostrou ser um tremendo fantoche. (não sei se ele fez no momento da “ordem” do Ceni)

Nessa o capitão pisou na bola. O poste não mija no cachorro.

Mesmo que venham argumentos do tipo: “Alguem tem que fazer alguma coisa!”, “Isso é liderança”, não existe. O chefe é o chefe, o empregado é o empregado.  Quando se quebra isso, a empresa está perdida.

Bobeou nessa, capitão. E ao meu ver, de novo, por exagero de paixão. A vontade do cara de ganhar é tamanha que ele não consegue não interferir.

Mas, as vezes, é preciso.

Ps – As informações sobre o ocorrido são dos reporteres que estavam atrás do gol. Se todos eles estiverem mentindo de forma conjunta, pode não ser “bem assim”, como muitos sugerem. Mas, prefiro confiar no que foi dito por todos eles, até que se prove o contrário.

abs,
RicaPerrone