Home » + Chamada » Acaba. Simples assim

Acaba. Simples assim

Marcelo Oliveira foi um treinador bicampeão brasileiro pelo Cruzeiro.  Puta trabalho, puta time bem montado no primeiro ano, um já menos agradável de ver no segundo, e agora a soma das derrotas pro rival com a má campanha em mata-mata.

Precisa ser 100% pra um dos lados?

O Cruzeiro é enorme responsável pelo Marcelo ser hoje um treinador Top, talvez mais do que o Marcelo em  fazer do Cruzeiro bicampeão.  As coisas se completam, e não tem nem um super herói nem um vilão.

Dois anos e meio é tempo pra cacete. Desgasta. Não há mal algum no Cruzeiro querer trocar o comando e tentar uma injeção de animo no grupo.

Aí anunciam Luxemburgo, um outro nome de peso. Aliás, muito mais pesado que o Marcelo.

E pela primeira vez na vida vou dizer que não acho que o Luxemburgo é uma boa. Espero errar, como tenho errado apostando nele nos últimos anos, mas não sei se um time limitado sendo cobrado pelo recente time qualificado que o Cruzeiro tinha é um grande negócio.

Se eu fosse o  Luxa ia pra casa. Felipão idem. Ganharam tudo e em qualquer país do mundo seriam tratados como referências incontestáveis.  Mas aqui, se perder domingo, foda-se os 30 anos de sucesso.

Cruzeiro troca na hora certa. Não sei pelo cara certo. Mas confesso que acho o Cruzeiro do Marcelo um time muito “sem pegada”.   Eu gosto de ver um time se superar numa decisão, de meter a cara na grama se for preciso e de correr o risco do fracasso pelo prazer de tentar brilhar.

As vezes ouço alguém exemplificar a “Europa” por causa do treinador do Manchester que passou a vida lá. Mas sabemos que não é assim. Ele é um caso. Os outros, na maioria, duram por ai mesmo. Dois ou três anos. E sabendo também que há um abismo no tipo de relacionamento profissional que se tem culturalmente com o jogador brasileiro e com o europeu.

Comparação tosca. Injusta.

Não há vilões. Nem heróis. Apenas profissionais e seus ciclos.

abs,
RicaPerrone

 

Comentários